>
Olá, seja muito bem-vindo a esse ambiente! Espero que ele possa atender suas expectativas!

domingo, 10 de julho de 2011

Desculpe Sr. Einstein, mas as coisas são mais complicadas

Redação do Site Inovação Tecnológica



A simplicidade de Einstein

Configuração do experimento que permitiu a observação da luz comprimida.[Imagem: Ourjoumtsev/Nature]


Albert Einstein é um dos maiores expoentes da ciência e tido como um dos maiores gênios da humanidade.
Ele ganhou o Prêmio Nobel ao descrever o efeito fotoelétrico, que está na base, por exemplo, do funcionamento de tecnologias como as células solares.
Assim, a premiação maior de um gênio parece ser merecedora da maior reverência possível.
E é. O que não significa que o trabalho seja definitivo.
A ciência trabalha por aproximações sucessivas. Assim, é comum que a descoberta de ontem seja vista como simplista demais pelos cientistas de hoje.
E isso acaba de acontecer com o efeito fotoelétrico de Einstein.
"Nossa experiência mostra que a luz emitida por átomos individuais é muito mais complexa do que a visão simples de Albert Einstein sobre a foto-emissão," afirmou o Dr. Karim Murr, do Instituto Max Planck de Óptica Quântica, na Alemanha.
E a descoberta veio exatamente de uma área "pouco querida" por Einstein: a mecânica quântica.
Luz: onda e partícula
Na óptica clássica, a luz geralmente é descrita como uma onda. Mas, no nível quântico mais fundamental, essa onda consiste de partículas discretas, chamadas fótons.
Ao longo do tempo, os físicos desenvolveram várias ferramentas para manipular tanto as propriedades de onda quanto as propriedades de partícula da luz.
Por exemplo, eles criaram fontes de fótons individuais, usando átomos únicos, graças à capacidade desses átomos de absorver e emitir fótons um por um - uma luz essencialmente "particulada".
Murr e seus colegas agora demonstraram que a luz emitida por um único átomo pode apresentar uma dinâmica muito mais rica do que esses domínios de onda e partícula isolados - eles podem interagir e se alterar mutuamente.
Um único átomo de rubídio em uma cavidade comprime as flutuações quânticas de um feixe de luz, diminuindo as flutuações de amplitude à custa das flutuações de fase. O efeito na ilustração é exagerado para maior clareza. [Imagem: MPQ/MPG]

Compartilhar:
←  Anterior Proxima  → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Com seus comentários, você ajuda a construir esse ambiente. Sempre que opinar sobre as postagens, procure respeitar a opinião do outro.

Muito obrigado por participar de nosso Blog!

Abraços!

Visitantes no Globo

On line

Total de visualizações

Arquivo do blog

Mais visualizadas do mês

Seguidores