>
Olá, seja muito bem-vindo a esse ambiente! Espero que ele possa atender suas expectativas!

domingo, 30 de outubro de 2011

Porque soluçamos?


O soluço é resultado de uma contração involuntária do diafragma, um fino músculo que separa o tórax do abdômen e que, juntamente com os músculos intercostais externos, é responsável pelo controle da respiração. Seus movimentos de contração e relaxamento permitem que inspiremos e expiremos o ar e são controlados pelo nervo frênico, situado logo acima do estômago. Os incômodos do soluço  surgem a partir de uma irritação do nervo frênico, cujas causas podem ser diversas (distensão gástrica pela ingestão de bebidas com gás, deglutição de ar ou alimentação em grande volume; mudanças súbitas da temperatura de alimentos ingeridos; modificações da temperatura corporal, como sauna seguida de ducha gelada; ingestão de bebidas alcoólicas; ou até mesmo gargalhadas). Quando ele fica ou sensibilizado, envia uma mensagem para o diafragma se contrair, o que dispara o soluço.
O característico barulhinho "hic, hic" surge quando ocorre fechamento súbito da glote (abertura superior da laringe, onde se localizam as cordas vocais), produzindo vibração nas cordas vocais.
Susto pode curar o soluço? Por que?

Pode sim. Quando levamos um susto, provocamos uma forte inspiração, levando a um aumento do volume de ar nos pulmões. Os pulmões pressionam o diafragma, fazendo com que ele se estique e volte a funcionar normalmente. Mas existem maneiras menos drásticas que também funcionam: tomar um copo d'água com nariz tampado ou inspirar e segurar o ar por alguns instantes.


Fonte: Texto e foto: Só Biologia
Compartilhar:

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Físicos disparam 60 raios laser para criar estrela artificial

A câmara azul é o local onde 60 raios lasers de alta intensidade se juntam para criar o plasma de alta densidade.[Imagem: LLNL]

Armas das estrelas
Usando um aparato que em tudo lembra os mais imaginativos cenários de batalhas interestelares, uma equipe de físicos acaba de quebrar um recorde que também só encontra similares nas grandezas espaciais.
Usando 60 raios lasers de alta potência, combinados para atingir uma cápsula minúscula, eles produziram um plasma com condições de densidade de energia extremas.
Essas condições incluem uma pressão de 100 bilhões de atmosferas, uma temperatura de 200 milhões Kelvin e uma densidade 20 vezes maior que a do ouro.
Antes desse super disparo de laser, essas condições só podiam ser encontradas no núcleo de planetas gigantes, como Júpiter e Saturno, ou no interior das estrelas.
Fusão nuclear
Imagem: LLNL
O experimento é um dos caminhos rumo à construção de uma "estrela artificial" controlada, onde a fusão nuclear poderá ser explorada para a geração sustentável de energia.
Muitos físicos acreditam que a fusão nuclear a laser seja a melhor saída para essa fonte de energia limpa.
O laboratório Omega Laser Facility, localizado na Universidade de Rochester, nos Estados Unidos, onde o recorde acaba de ser batido, é um dos que trabalham nesse sentido.
Estudando as reações nucleares
Os pesquisadores normalmente usam aceleradores para estudar as reações nucleares.
Neste laboratório, a equipe usou uma abordagem diferente, criando um plasma quente e denso, no qual elétrons são arrancados dos átomos para criar uma "sopa" de cargas positivas e negativas - um plasma.
O estado de plasma está presente nas estrelas, nos relâmpagos e até nas lâmpadas fluorescentes - na verdade 99% do universo visível é composto de plasma. Ele é comumente chamado de quarto estado da matéria, depois dos sólidos, líquidos e gases.
Imagem: LLNL
Para obter esse plasma, todos os 60 feixes de laser do Laboratório Ômega foram dirigidos simultaneamente para a superfície de uma cápsula de vidro de um milímetro de diâmetro, cheia de isótopos pesados de hidrogênio - deutério e trítio, ou trício.
Os feixes de laser geram um plasma em rápida expansão, de alta temperatura, na superfície da cápsula, fazendo-a implodir.
Bilhar atômico
Esta implosão, por sua vez, cria um plasma extremamente quente (100 milhões Kelvin) de íons de deutério e trício, e de elétrons, dentro da cápsula.
Uma pequena fração dos íons de deutério e trício se fundem, um processo que gera um nêutron viajando a um sexto da velocidade da luz, com cerca de 14,1 milhões de elétron-volts de energia - em comparação, a combustão de uma substância química comum, como a madeira ou o carvão, gera cerca de 1 elétron-volt de energia.
Conforme esses nêutrons energizados escapam da cápsula que está implodindo, uma pequena fração colide com os íons de deutério e trício, e dispersa, como bolas de bilhar.
A partir dessas colisões, bastante raras, e da correspondente transferência de energia dos nêutrons para os íons, os pesquisadores podem obter uma medição precisa do processo de fusão nuclear.
Fonte: Inovação Tecnológica


Compartilhar:

Asteroide Lutécia é um fóssil cósmico

O Lutécia é um pequeno mundo, com crateras e montanhas. Os cientistas conseguiram identificar sete regiões morfologicamente distintas em sua superfície.[Imagem: ESA/OSIRIS Team/MPS/UPD/LAM/IAA/RSSD/INTA/UPM/DASP/IDA]

Fóssil cósmico
O asteroide Lutécia (21 Lutetia) é um verdadeiro fóssil cósmico: várias áreas da sua superfície têm cerca de 3,6 bilhões de anos, sendo, portanto, algumas das mais antigas do Sistema Solar.
E sua altíssima densidade - superior à do granito - significa que o Lutécia é um planetesimal, o primeiro estágio de desenvolvimento no caminho de se tornar um planeta.
Estas descobertas foram feitas por uma equipe liderada por astrônomos do Instituto Max Planck, na Alemanha, depois de analisarem as imagens coletas pela sonda espacial Rosetta, que visitou o asteroide Lutécia em 2010.
Planetesimal e proto-planeta
Cerca de 4,5 bilhões de anos atrás, o Sistema Solar era totalmente diferente do que é hoje: em vez dos oito planetas grandes, havia inicialmente uma nuvem e, mais tarde, um disco de gás e poeira que orbitava o Sol recém-formado.
Esta matéria gradualmente se amalgamou para formar nódulos de formatos irregulares, os chamados planetesimais.
Alguns deles se fundiram até formar rochas ainda maiores, os proto-planetas - embora eles ainda fossem menores do que os planetas de hoje, eles já eram esféricos e tinham uma estrutura interna em camadas.
Mas o espaço é um lugar dinâmico: a maioria dos planetesimais e proto-planetas que não se desenvolverem em planetas se fragmentaram novamente, em consequência de colisões com os planetas e suas luas.
"O Lutetia é uma sorte para nós," diz Holger Sierks, principal autor do estudo. "Só um número muito pequeno de corpos celestes ficou em tal fase precoce de desenvolvimento. Eles nos permitem lançar um olhar para o passado."
Mais denso que o granito
Um outro exemplo é o asteroide Vesta, que a sonda espacial Dawn (Aurora), da NASA, está observando desde julho deste ano. Os pesquisadores conjecturam que o Vesta seja um dos poucos proto-planetas remanescentes.
O Lutécia está permitindo que os cientistas olhem ainda mais para trás - para as próprias origens do sistema solar.
Seu pequeno tamanho, sua forma irregular e, acima de tudo, a sua elevada densidade, apontam para o fato de que ele é de fato um planetesimal.
"A partir das imagens, pudemos agora determinar o volume do Lutécia com muita precisão e, em seguida, a sua densidade", explica Sierks.
Com 3,4 gramas por centímetro cúbico, o planetesimal é consideravelmente mais denso do que o granito.
Fonte: Inovação Tecnológica
Compartilhar:

Seduc divulga nova tabela de vencimentos para profissionais do magistério de nível médio

Texto colhido no site da SEDUC.


A Secretaria da Educação (Seduc) informa que através da Lei Estadual nº 15.009, de 04/10/2011,  publicada no Diário Oficial do dia 10/10/2011, foi criada nova tabela vencimental para os profissionais de nível médio, do grupo ocupacional do magistério da educação básica. A medida teve como base o piso salarial do magistério, determinado pela legislação nacional. A implantação sairá na folha de pagamento do mês de outubro, com efeito financeiro retroativo a 1º de setembro. A Seduc ressalta que essa mudança é destinada apenas aos profissionais de nível médio.



Para os professores com nível superior, haverá alteração somente nas referências. O vencimento permanece o mesmo. Com a nova lei, as referências de 13 a 30 ficam alteradas para as referências de 01 a 18. Essa alteração também está em implantação na folha de outubro.




CONFIRA:

LEI 15.009 - No Diário Oficial de 10/10/2011, páginas 2 e 3

TABELA - REFERÊNCIAS DO PROFISSIONAL DE NÍVEL SUPERIOR
Compartilhar:

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

LCD, LED ou Plasma? Entenda a diferença entre as três tecnologias.


As tecnologias e suas principais características

TV LCD Philips
Foto: Divulgação
TV LCD: As telas de LCD são capazes de produzir belas imagens, mas contam com um detalhe que pode fazer toda a diferença: Como as telas de LCD não emitem nenhum tipo de luz, ela precisa utilizar recursos eletrônicos para produzir cores brilhantes. O resultado disso acaba sendo o de imagens menos naturais que as vistas nas outras tecnologias. Um número bem grande de televisores LCD, no mercado, são compatíveis com o novo sinal de TV Digital, mas justamente pela alta definição, algumas imperfeições podem aparecer, principalmente em imagens com muita movimentação de câmeras.


TV LED LG
Foto: Divulgação
TV LED: As telas LED estão caindo no gosto do consumidor, mas isso não quer dizer que tecnicamente elas são revolucionárias, como muitos segmentos do mercado vendem hoje. As telas de LED de hoje são, basicamente, telas de LCD com diodos de luz na parte traseira da tela. Elas oferecem mais vantagens na qualidade de imagem e no consumo de energia, porém acabam sendo mais caras, principalmente por ser uma tecnologia mais nova que as anteriores. Comparadas às telas de LCD, possuem um melhor contraste e taxa de atualização, e são muito mais adequadas para reprodução de imagens em Full HD.


TV PLASMA SANMSUNG
Foto: Divulgação
TV Plasma: As telas de plasma produzem as melhores imagens que você pode encontrar no mercado. Normalmente são vendidas em modelos de telas grandes, que oferecem a melhor relação de contraste, exibição de cores, e uma resposta mais rápida das imagens (por causa do tempo de resposta dos pixels, consideravelmente menor que nos modelos de LCD e LED). Em compensação, elas consomem mais energia do que as outras, além de serem muito mais sujeitas a problemas de super-aquecimento. Sem contar que, dos três modelos, ela é a que geralmente tem os preços mais elevados.

Conclusão

Cada usuário tem a sua necessidade e seu objetivo em particular, e essa preferência deve refletir no momento da compra. Usamos a televisão para assistir filmes, shows, jogar videogames, e até para conectar no computador. Por isso, cabe ao usuário fazer uma pesquisa pessoal sobre quais serão os principais usos da TV.

Os modelos de LCD costumam ser mais baratos e consumir muito menos energia que aos outros, e se você não tiver um olho bem treinado, nem conseguirá perceber muita diferença em relação às outras tecnologias.

Mas se você deseja assistir um filme com ‘aquela’ qualidade, em Blu-ray, ou praticamente se sentir dentro de um estádio de futebol (vale para outros eventos esportivos), certamente as TVs de Plasma são as mais adequadas, por conta da sua taxa de contraste e das cores mais nítidas. O meio termo entre estas tecnologias são as tela LED. No geral, a taxa de atualização costuma ser mais rápida nesses modelos, colocando-as como as mais indicadas para os videogames de última geração.

Uma vez definida a tecnologia, é hora de você conferir o modelo que mais atende as suas expectativas.
Por Eduardo Moreira
Fonte: techtudo
Compartilhar:

Sensor infravermelho dá mais "cores" à visão noturna

O grande avanço do novo sensor pode ser visto na mão do pesquisador. Na imagem à esquerda, um sensor infravermelho tradicional só enxerga um disco escuro. Na imagem à direita, o isqueiro e sua chama são perfeitamente identificáveis.[Imagem: Northwestern University]

Cores na escuridão
Será possível enxergar cores na escuridão?
Esta é a proposta da professora Manijeh Razeghi, da Universidade Northwestern, nos Estados Unidos.
Enquanto as câmeras e filmadoras tradicionais operam na faixa visível do espectro, as câmeras e óculos de visão noturna operam no infravermelho - o que significa que elas essencialmente "enxergam" o calor.
É por isso que elas são boas para vigilância e para enxergar seres vivos à noite, devido ao calor que eles emitem.
Mas suas imagens borradas e indistintas ainda estão longe de permitir identificações positivas e imediatas.
Mas isto está começando a mudar, agora que a equipe da professora Razeghi descobriu que um material semicondutor utilizado nos sensores infravermelhos pode ser ajustado não apenas para absorver uma grande variedade de comprimentos de onda infravermelhos, mas também bandas distintas do espectro ao mesmo tempo.
Mais do que cores
A imagem final não é colorida, no sentido tradicional - ainda.
Mas o resultado já é melhor do que isso, pelo menos por dois motivos principais.
O primeiro é que os novos sensores permitem enxergar partes da cena que permanecem invisíveis aos sensores atuais.
A imagem mostra bem o detalhe da chama do isqueiro que o pesquisador está segurando. Na imagem infravermelha tradicional, à esquerda, a chama simplesmente não aparece, enquanto é vista claramente com o novo sensor.
A segunda vantagem está em que as frequências ressonantes dos materiais visualizados podem ser identificadas nesta faixa espectral.
Isto significa que uma simples câmera infravermelha poderá permitir a realização de espectroscopia em tempo real - a espectroscopia permite deduzir a composição química dos materiais a partir da radiação que ela emite.
"Quando processadas por algoritmos de processamento de imagens, aplicados sobre múltiplas bandas, a quantidade de informação gerada por uma única cena é tremenda," diz Razeghi.
Super rede tipo-II
Foram protótipos de câmeras infravermelhas que ajudaram a inspecionar a usina de Fukushima, depois do tsunami de Março de 2011, permitindo o registro das temperaturas internas.
Mas, até agora, os pesquisadores usavam uma liga (HgCdTe) que é cara demais e que não funciona para todos os comprimentos de onda infravermelha.
A equipe da professora Razeghi fez muito melhor com um semicondutor conhecido como super rede tipo-II, que é eficiente e muito mais barato.
A sensibilidade do novo sensor à temperatura, por exemplo, é altíssima, chegando a uma precisão de 0,015°C.
E as cores? Bem, um algoritmo adequado poderá facilmente dar um jeito nisso, agora que todos os objetos da cena estão visíveis e distintos.
Fonte: Inovação Tecnológica
Compartilhar:

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

MPF quer a anulação do ENEM por conta de suposto vazamento da prova


No Facebook foram publicadas imagens que mostrariam questões de um simulado idênticas a perguntas do Enem 2011
Foto: Terra

Após ser procurado pelos estudantes, o procurador da República Oscar Costa Filho constatou irregularidade, ao comprovar a existência de 13 questões idênticas, literalmente copiadas de um simulado elaborado no Colégio Christus na cidade de Fortaleza e encontradas nas provas do Enem.

As questões foram postadas em redes sociais e o colégio se pronunciou através delas dizendo que possui um vasto banco de dados com questões fornecidas por professores e ex-alunos. As questões que o conteúdo antecipou foram as seguintes: no 1º dia, prova amarela, nº 32,33,34,46,50,57,74,87, e 2º dia, prova amarela, 113,141,154,173 e 180.

Oscar Costa Filho garante que as provas existentes já são suficientes para concluir que "houve vazamento" e que agora resta descobrir qual caminho percorrido pelas questões. O procurador disse que vai acionar o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) e pedir a anulação do Enem 2011.

Segundo o Inep, 639 estudantes do Colégio Christus fizeram a prova do Enem. Em caso de comprovação de alguma irregularidade, estes candidatos poderão ter de fazer novamente as provas do Enem.

Fonte: Terra / G1
Compartilhar:

Inep cogita as provas de matemática e redação em dias diferentes do Enem 2012


Imagem: Google Imagens

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) afirmou que vai avaliar a queixa de muitos candidatos do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que consideraram o segundo dia de provas, com linguagens, matemática e redação, muito cansativo. A prova foi realizada no domingo (23) teve até 5h30 de duração. No sábado (22), a prova reuniu conteúdos de ciências humanas e ciências da natureza.
O órgão também pode dar mais espaço no caderno de provas para o candidato fazer contas e anotações. No entanto, o Enem continuará tendo 180 questões distribuídas em quatro áreas de conhecimento (ciências humanas, ciências da natureza, matemática e linguagens e códigos). A próxima edição do exame será nos dias 28 e 29 de abril de 2012.
O Inep considerou "positiva" toda a organização do Enem, realizado neste sábado (22) e domingo (23). Em nota enviada pela assessoria de imprensa da autarquia ligada ao Ministério da Educação, o Inep afirma acreditar que a partir de 2012, com duas edições anuais, o número de candidatos inscritos que faltam às provas caia gradativamente.
Este ano, o Enem registrou uma média de abstenção de 26,4%, ou seja, foram mais de 1,4 milhão de candidatos inscritos que não apareceram. Com um custo de R$ 45 por candidato, isto representa um investimento de R$ 63 milhões desperdiçado. Ao todo, o Enem teve 5,3 milhões de candidatos inscritos .
O MEC tem a intenção de tornar o Enem obrigatório para todos os alunos que estão terminando o ensino médio. O projeto está sendo analisado pela Comissão de Educação da Câmara dos Deputados.
Fonte: G1
Compartilhar:

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Pele artificial super flexível e transparente

Os pesquisadores garantem que sua pele artificial consegue detectar deste o toque de um dedo até a pressão de um elefante equilibrando-se em uma única pata.[Imagem: Steve Fyffe/Stanford]
Sensível, transparente e flexível

Cientistas da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, criaram uma das mais versáteis peles artificiais já fabricadas até hoje.
Com um projeto extremamente simples, o material poderá ser usado da área biomédica até a robótica.
O primeiro avanço está em uma flexibilidade incomparável, que permite que o material seja esticado repetidamente até o dobro do seu tamanho e retorne à dimensão original sem apresentar rugas e sem variações em seu funcionamento.
A segunda melhoria está em uma sensibilidade muito maior, capaz de detectar desde um leve toque até pesos na faixa das toneladas - os pesquisadores falam na pressão de um elefante equilibrando-se em uma única pata.
E estas duas características funcionam em conjunto, ou seja, a função de sensor funciona tanto se a pele estiver sendo esticada quanto se ela estiver sendo comprimida como uma esponja.
Finalmente, a nova pele artificial é transparente, permitindo aplicações em próteses artificiais, robótica e até em um novo tipo de tela sensível ao toque, que use materiais mais baratos e mais robustos.

Nanomolas

Darren Lipomi e seus colegas usaram nanotubos de carbono dispostos de forma a funcionarem como molas.
Os nanotubos em uma suspensão líquida são espalhados sobre uma fina camada de silicone. Durante sua pulverização, os nanotubos tendem a se aglomerar em formatos totalmente aleatórios.
Um primeiro puxão faz com que eles se alinhem no sentido do esticamento. Quando o silicone é solto, voltando à sua dimensão original, os nanotubos se contorcem, formando as "nanomolas".
O mesmo procedimento pode ser repetido em qualquer direção.
"Depois de termos feito essa espécie de pré-esticamento dos nanotubos, eles se comportam como molas e podem ser esticados sucessivas vezes, sem qualquer alteração de formato," garante a professora Zhenan Bao, coordenadora da pesquisa.

Funcionamento sensorial

As nanomolas de nanotubos dão à pele artificial a capacidade de esticamento e retorno à dimensão original sem rugas, além da condutividade elétrica.
Mas, para que possa ser chamada realmente de pele artificial, ela precisa se transformar em um sensor totalmente autocontido.
A capacidade sensorial é obtida usando duas camadas do silicone com nanotubos, orientadas para que as camadas pulverizadas de nanotubos fiquem face-a-face, separadas apenas por uma fina camada de um outro tipo de silicone, menos resistente, mas ainda mais flexível.
Essa camada interna armazena cargas elétricas de forma muito parecida com uma bateria. Quando o silicone recebe uma pressão, essa camada interna é comprimida, alterando a quantidade de carga elétrica que ela consegue armazenar.
Essa mudança é detectada pelos dois filmes de nanotubos de carbono, que funcionam como os terminais positivo e negativo de uma bateria. Basta então monitorar esses dois "terminais" para detectar a alteração de pressão.

Aplicações da pele artificial

A equipe da Dra. Bao já havia criado uma "super pele artificial", com sensibilidade superior à da pele humana.
Mas esta nova abordagem é mais simples, dispensando toda a eletrônica e a alimentação elétrica - e, além disso, tem uma capacidade sensorial muito superior.
Entre as possíveis aplicações de sua pele artificial, os pesquisadores listam telas e monitores, interfaces, células solares, bandagens, sensores biomédicos, biofeedback, dispositivos médicos implantáveis e robôs.

Fonte: Inovação Tecnológica
Compartilhar:

domingo, 23 de outubro de 2011

Como funcionam os refrigeradores?


Há evidências de que os seres humanos, desde os primórdios, notaram que o simples resfriamento de alimentos era capaz de conservá-los por um tempo maior. Muito provavelmente, as apropriações de territórios foram responsáveis pela disseminação deste conhecimento às civilizações.
No entanto, somente no século XIX é que Jacob Perkins, um inventor inglês, desenvolveu um compressor capaz de solidificar a água, produzindo gelo artificialmente. E, obviamente, esta descoberta possibilitou que algumas indústrias, como as cervejarias, por exemplo, prosperassem. Além disso, o ramo comercial também foi bastante favorecido, uma vez que tornou-se possível enviar os produtos para vários países distantes.
Já no início do século XX, Willis Carrier, americano, instalou em uma gráfica de Nova York o primeiro aparelho de ar-condicionado, o qual era capaz de controlar a umidade do ambiente e de resfriá-lo.
Os primeiros refrigeradores domésticos (mais conhecidos como geladeiras) surgiram, nos Estados Unidos, no início da década de 1920, tornando-se populares muito rapidamente. Hoje em dia, no Brasil, estima-se que um percentual superior a 80% das residências tenham uma geladeira.
Componentes
Basicamente, uma geladeira é composta dos seguintes elementos:
  • Fluido refrigerante: o qual deve possuir baixa pressão de vaporização e alta pressão de condensação, como é o caso do freon - fluido mais utilizado para refrigeração.
  • Compressor: funciona como uma bomba de sucção que retira o fluido do ramo da tubulação que o antecede (reduzindo a pressão) e injeta este fluido no ramo da tubulação que o sucede (aumentando a pressão).
  • Condensador: trata-se de uma serpentina externa, localizada na parte de trás da geladeira, na qual o vapor se liquefaz, e que é responsável por liberar calor para o ambiente.
  • Tubo capilar: é responsável por diminuir a pressão do vapor do fluido.
  • Evaporador: é composto por um tubo em forma de serpentina acoplado ao congelador. Para passar ao estado gasoso, o fluido absorve energia na forma de calor do congelador e, ao abandonar o evaporador, chega ao compressor, recomeçando o ciclo.
  • Congelador: localiza-se na parte superior do refrigerador para facilitar a formação de correntes de convecção internas, permitindo a mistura do ar à baixa temperatura do congelador e de sua vizinhança com o ar à temperatura mais elevada das outras partes.
Funcionamento
A pressão do ar no interior do refrigerador é uniforme e, em virtude disso, o ar do congelador e dos arredores, que está a temperaturas mais baixas, é mais denso que o ar das outras partes. Assim, o fato desta massa de ar ser mais densa faz que ela desça, empurrando o ar das outras partes para cima.
Além disso, não é à toa que as prateleiras das geladeiras são confeccionadas na forma de grade: isso é feito com o intuito de facilitar as correntes de convecção.
No interior do refrigerador há um botão que permite regular a temperatura na qual se deseja que o sistema opere. Um termostato é responsável por interromper o circuito de alimentação do motor que faz funcionar o compressor, quando a temperatura na qual o sistema foi programado para operar é atingida.
Uma vez desligado o circuito, a temperatura do interior do refrigerador passa a aumentar, por efeito da absorção de energia na forma de calor do ambiente. A partir de um certo valor de temperatura, o termostato reconecta o circuito elétrico de alimentação do motor e um novo ciclo de refrigeração se inicia. Desta forma, o termostato permite manter uma temperatura praticamente constante no interior do refrigerador.
Na ótica da termodinâmica, um refrigerador é uma máquina térmica que opera em ciclos. Agora, nos concentraremos nas transformações termodinâmicas que ocorrem durante o funcionamento dos refrigeradores.
Fonte: Texto e foto - Só Física
Compartilhar:

Poema matemático - O quociente e a incógnita


"Às folhas tantas do livro de matemática,
um quociente apaixonou-se um dia doidamente por uma incógnita.
Olhou-a com seu olhar inumerável e viu-a, do ápice à base.
Uma figura ímpar olhos rombóides, boca trapezóide,
corpo ortogonal, seios esferóides. Fez da sua uma vida paralela a dela até que se encontraram no infinito.
"Quem és tu?" - indagou ele com ânsia radical.
"Eu sou a soma dos quadrados dos catetos,
mas pode me chamar de hipotenusa".
E de falarem descobriram que eram o que, em aritmética,
corresponde a almas irmãs, primos entre-si.
E assim se amaram ao quadrado da velocidade da luz
numa sexta potenciação traçando ao sabor do momento e da paixão retas,
curvas, círculos e linhas senoidais.
Nos jardins da quarta dimensão,
escandalizaram os ortodoxos das fórmulas euclidianas
e os exegetas do universo finito.
Romperam convenções Newtonianas e Pitagóricas e, enfim,
resolveram se casar, constituir um lar mais que um lar,
uma perpendicular.
Convidaram os padrinhos:
o poliedro e a bissetriz, e fizeram os planos, equações e diagramas para o futuro,
sonhando com uma felicicdade integral e diferencial.
E se casaram e tiveram uma secante e três cones muito engraçadinhos
e foram felizes até aquele dia em que tudo, afinal, vira monotonia.
Foi então que surgiu o máximo divisor comum,
frequentador de círculos concêntricos viciosos,
ofereceu-lhe,
a ela, uma grandeza absoluta e reduziu-a a um denominador comum.
Ele, quociente percebeu que com ela não formava mais um todo, uma unidade.
Era o triângulo tanto chamado amoroso desse problema,
ele era a fração mais ordinária.
Mas foi então que Einstein descobriu a relatividade
e tudo que era espúrio passou a ser moralidade,
como, aliás, em qualquer Sociedade ..."

Millôr Fernandes 

Fonte: Só Matemática
Compartilhar:

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Roupas autolimpantes, auto-remendantes e à prova de insetos


Roupa autolimpante
Imagem: Andy Fell/UC Davis
Uma equipe da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, desenvolveu uma roupa de algodão autolimpante.
Além de quebrar quimicamente produtos químicos e resíduos de pesticidas, quando exposto à luz o tecido é capaz de liquidar também com bactérias que o estejam infestando e produzindo maus odores.
Ning Liu e seus colegas incorporaram nas fibras de algodão um composto chamado 2-AQC (ácido carboxílico 2-antraquinona).
O composto liga-se fortemente às fibras de celulose no algodão, tornando a ligação resistente mesmo a processos fortes de lavagem. Isto torna o tecido autolimpante mais durável do que soluções similares.
Quando exposto à luz, o 2-AQC produz as chamadas espécies reativas de oxigênio, como os radicais hidroxila e o peróxido de hidrogênio, que matam bactérias e quebram as moléculas de compostos químicos como pesticidas e outras toxinas.
Roupas com repelentes e inseticidas
Imagem: Inseplatex
A equipe espanhola do projeto Inseplatex está mais concentrada na proteção automática que as roupas podem oferecer à saúde em situações de grande risco.
Em vez de olharem para as bactérias, eles estão desenvolvendo roupas à prova de insetos.
Os pesquisadores estão pensando não apenas em bombeiros, guardas florestais e agentes de combate à dengue e malária, mas também nas pessoas abrigadas em campos de refugiados, durante crises humanitárias ou acidentes naturais, como enchentes, terremotos e vulcões.
Para isso, estão sendo isolados agentes repelentes ou inseticidas, que serão a seguir incorporados nos plásticos e tecidos usados na fabricação das roupas profissionais e de ajuda humanitária.
"O projeto pretende controlar a ativação e a duração das propriedades biocidas em diversos produtos plásticos e têxteis, para então especificar usos concretos, sobretudo em roupas de uso profissional," afirmam eles.
O primeiro passo está sendo dado com a realização de bio-ensaios, quando biólogos e entomólogos isolam os compostos com ação para cada tipo de praga em particular.
A grande dificuldade do trabalho é que os pesquisadores ainda não descobriram uma forma única de incorporação desses agentes nos plásticos e nos tecidos, o que exige uma solução individualizada para cada repelente ou inseticida.
Roupa que se auto-conserta
Imagem: Sintef
A Dra. Susie Jahren e seus colegas noruegueses têm uma preocupação mais local: proteger os pescadores e pessoas que precisam usar roupas para se protegerem da chuva e da água do mar.
Seus primeiros protótipos são tecidos sintéticos capazes de se autoconsertar no caso de serem furados.
Como o trabalho dos pescadores em alto mar é extremamente rude, é comum sofrer esbarrões e contatos com os equipamentos e com o barco, o que por vezes perfura a roupa de proteção.
Como não é possível parar o trabalho para trocar de roupa, o resultado é um pescador molhado e doente.
Enquanto as borrachas que se emendam sozinhas não chegam ao mercado, a solução encontrada foi usar um material à base de poliuretano, disperso no plástico em microcápsulas.
"Se a capa se rasgar ou for perfurada, as cápsulas se rompem na área danificada. O selante é liberado e endurece quando entra em contato com o ar ou com a água. Assim, a roupa se conserta sozinha," diz Jahren.
Fonte: Inovação Tecnológica

Compartilhar:

MEC orienta alunos a conferirem número de questões e dados pessoais do caderno de provas do Enem


Imagem do Google

Uma das orientações do Ministério da Educação (MEC) aos 5,3 milhões de candidatos que farão o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) neste fim de semana (22 e 23 de outubro) é que confiram, antes de começarem a prova, se o número de questões do caderno corresponde ao do cartão de resposta. O estudante também deve verificar se os seus dados pessoais estão corretos.
A determinação foi incluída no edital do Enem de 2011 e é uma tentativa de reduzir possíveis transtornos como os ocorridos no ano passado, quando alguns candidatos receberam cadernos de prova com erros de impressão que continham um número menor de questões do que o previsto. Por conta do erro, o MEC teve que reaplicar a prova a um grupo de 9 mil alunos. A orientação nesse caso é que o participante informe o problema ao fiscal de sala imediatamente para que ele possa trocar o material.
Para evitar cola, o Inep faz versões diferentes da prova, cada uma identificada por uma cor. Em 2010, foram adotadas azul, amarelo, branco e rosa. As questões são as mesmas, mas organizadas em ordem distinta. O candidato precisar marcar no cartão de respostas a cor do caderno que recebeu para que o gabarito seja corrigido na ordem correta.
Tanto a prova objetiva quanto a redação só podem ser preenchidas por caneta esferográfica de tinta preta. O uso de lápis e borracha não é permitido. Esses materiais serão recolhidos antes da prova, junto com celulares, relógios e outros aparelhos eletrônicos, e só poderão ser retirados pelo candidato ao término do exame.
A redação, que será aplicada no domingo, deve ser um texto do tipo dissertativo-argumentativo de, no máximo, 30 linhas. Ele deverá ser desenvolvido a partir do tema que será proposto na prova – em 2010, o tema foi trabalho escravo. O MEC alerta que redações que fujam do tema ou tenham menos de sete linhas receberão nota zero.
Fonte: Uol Educação
Compartilhar:

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Orientadora da CREDE 18 entrega computadores a alunas da Escola Santa Tereza

Eliana Estrela fala com os alunos - Orientadora da CREDE 18
Foto: Prof. Paulo Robson
Foto: Prof. Paulo Robson

Por volta das 16:30h desta quinta-feira, a Escola Santa Tereza de Altaneira-Ce, realizou-se uma singela, porém gratificante, solenidade de entrega de computadores a algumas alunas que obtiveram bom desempenho na prova do SPAECE de 2010.





Foto: Prof. Paulo Robson
Estiveram presentes a orientadora da CREDE 18, a Sra. Eliana Nunes Estrela, acompanhada de Irene Esmeraldo, supervisora do NRDES da mesma Coordenadoria, além do núcleo gestor da escola, um grupo de professores e todos os alunos do turno da tarde.
Na oportunidade a Sra. Eliana parabenizou o trabalho do grupo de professores da instituição de ensino, enfatizando o comprometimento de todos com a qualidade do ensino na escola.

Foto: Prof. Paulo Robson
A orientadora da CREDE 18 falava, também, da felicidade em estar entregando essa premiação e do anseio de no próximo ano retornar com um número bem maior de equipamentos, "espero poder voltar aqui, ano que vem, com um caminhão cheio de computadores", disse, referindo-se a um aumento no número de premiados, bem como nos índices da Escola Santa Tereza. Encerrando seu discurso, parabenizou a diretora Meirenildes Alencar pelo excelente trabalho desenvolvido a frente da instituição, às alunas premiadas e a seus pais.


Foto: Prof. Paulo Robson
Por obterem bom desempenho na escala de proficiência do SPAECE 2010, as alunas Ana Deyva, Ana Flávia e Paloma Ponciano receberam um computador cada, conforme divulgado na matéria "Alunas da Escola Santa Tereza de Altaneira-Ce ganham computadores da SEDUC".

Das três alunas, apenas Paloma fez-se presente, acompanhada de seu pai Antonio Caldas, Ana Deyva, por estar em uma aula de laboratório na universidade, não pode comparecer, mas foi representada por sua mãe Antonia Ferreira (Selma) e Ana Flávia por estar se preparando para o ENEM, também não foi receber o PC, este entregue a seu pai o vereador Flávio Correia.
Foto: Prof. Paulo Robson


A escola e todos nós professores nos sentimos muito felizes por todas vocês, parabéns meninas!




Prof. Paulo Robson.
Compartilhar:
←  Anterior Proxima  → Página inicial

Visitantes no Globo

On line

Total de visualizações

Arquivo do blog

Mais visualizadas do mês

Seguidores