>
Olá, seja muito bem-vindo a esse ambiente! Espero que ele possa atender suas expectativas!

quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Escola Santa Tereza participa de Seminário Regional sobre violência contra a criança e o adolescente


Foto: Meirenildes Alencar
A E.E.M Santa Tereza de Altaneira fez-se presente no Seminário Regional da Campanha "Quem cala, consente - Violência contra criança e adolescente é crime."

A Diretora Meirenildes Alencar, a professora Valnice Adriano e os Alunos Representantes do Grêmio: Eduardo, Leila Lays, Reyla e Lucas, participaram no dia 28/02 no poliesportivo do Juazeiro do Norte-CE, deste seminário. Iniciativa da Assembleia Legislativa do Estado do Ceará, através da comissão da infância e do adolescente, em parceria com a  Secretária Estadual da Educação-SEDUC.

O objetivo do seminário foi conscientizar e mobilizar a sociedade cearense para o combate ao abuso e a exploração sexual infanto-juvenil.

Segundo a Presidenta da comissão, A Deputada Bethrose, a campanha foi criada pela necessidade de sensibilizar a sociedade, fazendo com que as pessoas não se omitam diante dos casos de violências sexual.

Durante o seminário houve palestra com a Psicóloga e escritora Helena Damasceno, que explicou as diferenças entre abuso e exploração sexual.


Compartilhar:

Canhotos: corpos diferentes, mentes diferentes




Ser destro ou canhoto pode influenciar os nossos juízos sobre idéias abstratas, como valor, inteligência e honestidade.[Imagem: Wikipedia/Pixie]
Imprecisão humana
Nós gostamos de pensar em nós mesmos como criaturas racionais, absorvendo informações, pesando-as cuidadosamente e tomando decisões bem pensadas.
Ocorre, porém, que tudo o que estamos fazendo é enganando a nós próprios.
Ao longo das últimas décadas, os cientistas têm mostrado que há muitos fatores internos e externos que influenciam o modo como pensamos, sentimos, comunicamos e tomamos decisões em um determinado momento.
Uma influência particularmente poderosa pode vir de nossos próprios corpos, segundo uma nova pesquisa publicada na revista científica Current Directions in Psychological Science.
Hipótese da especificidade do corpo
O cientista cognitivo Daniel Casasanto mostrou que peculiaridades dos nossos corpos afetam o nosso pensamento de forma previsível, em diversas áreas da vida, da linguagem e das imagens mentais até as emoções.
Pessoas vêm em todas as formas e tamanhos, e as pessoas com diferentes tipos de corpos pensam de forma diferente - uma ideia que Casasanto chama de "hipótese da especificidade do corpo".
Uma forma que nossos corpos parecem moldar a nossa tomada de decisão é através da lateralidade: ser destro ou canhoto.
Mentes destras e canhotas
Casasanto e seus colegas exploraram se ser destro ou canhoto pode influenciar os nossos juízos sobre idéias abstratas, como valor, inteligência e honestidade.
Por meio de uma série de experimentos, eles descobriram que, em geral, as pessoas tendem a preferir as coisas que encontram no mesmo lado que a sua mão dominante.
Quando era perguntado aos participantes qual de dois produtos comprar, qual de dois candidatos contratar ou qual das duas criaturas alienígenas parecia mais confiável, os destros escolheram o produto, pessoa ou criatura que viam no lado direito da página.
Os canhotos preferiram muito mais as escolhas à esquerda.
Esses tipos de preferências foram identificados até em crianças com apenas 5 anos de idade.
Mudar o corpo muda a mente
Mas por que a nossa lateralidade importa quando se trata de fazer tais avaliações abstratas?
Tudo se resume à fluência, de acordo com Casasanto.
"As pessoas gostam mais de coisas quando elas são mais fáceis de perceber e de interagir," diz ele.
Os destros interagem com seu ambiente mais facilmente à direita do que à esquerda - assim, eles associam "bom" com "direita" e "mau" com "esquerda".
Contudo, essa preferência por coisas do nosso lado dominante não é gravada na pedra.
Destros que tiveram suas mãos direitas permanentemente deficientes começam a associar "bom" com "esquerda".
O mesmo vale para os destros cuja mão "boa" está temporariamente em desvantagem durante os experimentos no laboratório.
"Depois de alguns minutos atrapalhando sua mão direita, os destros começaram a pensar como os canhotos," diz Casasanto. "Se você mudar os corpos das pessoas, você muda suas mentes."
Tirando vantagens
É claro que esta associação tem implicações fora dos laboratórios.
A hipótese da especificidade do corpo pode desempenhar um papel até mesmo no comportamento eleitoral.
Casasanto assinala que muitos estados [nos Estados Unidos] ainda usam cédulas com os nomes dos candidatos listados à esquerda e à direita.
"Como cerca de 90 por cento da população é destra," diz Casasanto, "as pessoas que querem atrair clientes, vender produtos ou obter votos devem considerar que o lado direito de uma página ou de uma tela de computador pode ser o lugar 'certo' para ficar."
Fonte: Diário da Saúde
Compartilhar:

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Tecido termoelétrico transforma calor do corpo em eletricidade




A grande vantagem do novo material termoelétrico é ter a consistência de um tecido, embora seu rendimento ainda seja baixo. [Imagem: Wake Forest University]
Feltro de energia
Os materiais termoelétricos e sua capacidade para gerar eletricidade a partir de um diferencial de temperatura estão nas manchetes há algum tempo, com promessas como geladeiras de estado sólido e resfriamento de processadores.
Corey Hewitt, da Universidade Wake Forest, nos Estados Unidos, agora deu uma "amaciada" na tecnologia termoelétrica.
Ele criou um material termoelétrico flexível, parecido com um tecido, já batizado de "feltro de energia" (Power Felt).
Sendo macio e flexível, Hewitt acredita poder usar seu novo material para gerar eletricidade aproveitando o calor do corpo humano, e usar essa energia para recarregar a bateria de celulares e tocadores de MP3.
Tecido termoelétrico
O "tecido termoelétrico" é composto por nanotubos de carbono incorporados em fibras de plástico flexível.
Estas fibras, por sua vez, são trançadas para formar um tecido. Como o rendimento de cada "pano" é muito pequeno, são empilhadas diversas camadas para compor o feltro.
O pesquisador propõe usar seu feltro gerador de energia para revestir o assento ou o cano do escapamento dos carros, para aproveitar o calor nos telhados, ou nas roupas, para que o usuário utilize a energia gerada da forma que achar mais útil.
"Nós desperdiçamos um bocado de energia na forma de calor. Por exemplo, recapturar o calor do escapamento de um carro pode ajudar a melhorar o consumo e alimentar o rádio, ar condicionado ou sistema de navegação," diz Hewitt.


É possível aumentar a potência colocando mais camadas - mas ao custo de perder a flexibilidade do "feltro" - o número de camadas está no eixo X e a potência resultante no eixo Y. [Imagem: Hewitt et al./ACS]
Nano-rendimento
Muitos outros compartilham desse entusiasmo, mas o rendimento dos materiais termoelétricos ainda é baixo - e os melhores podem custar até U$1.000 o quilograma.
O feltro de energia criado por Hewitt, por exemplo, composto por 72 camadas empilhadas, gera 140 nanowatts de eletricidade.
É possível aumentar essa potência colocando mais camadas - mas ao custo de perder a flexibilidade do "feltro".
Os nanogeradores piezoelétricos - outra tecnologia para a colheita de energia, e que também ainda tem um longo caminho pela frente até chegar ao mercado - já operam na faixa dos microwatts, usando apenas a respiração humana.
Fonte: Inovação Tecnológica
Compartilhar:

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Piso do magistério deve ser reajustado em 22,22% e passar para R$ 1.451


Imagem do Google

O piso salarial do magistério deve ser reajustado em 22,22%, conforme determina o artigo 5º da Lei 11.738, de 16 de junho de 2008, aprovada pelo Congresso Nacional. O novo valor será de R$ 1.451,00. O piso salarial foi criado em cumprimento ao que estabelece o artigo 60, inciso III, alínea “e” do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias. 

Conforme a legislação vigente, a correção reflete a variação ocorrida no valor anual mínimo por aluno definido nacionalmente no Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) de 2011, em relação ao valor de 2010. E eleva a remuneração mínima do professor de nível médio e jornada de 40 horas semanais para R$ 1.451,00.


Fonte: MEC
Compartilhar:

Nave europeia terá nome do pai da Teoria do Big Bang


O pai da teoria do Big Bang, Georges Lemaitre, terá seu nome estampado no ATV-5. [Imagem: ESA]

Descoberta da expansão do Universo
Começou a ser feita justiça ao descobridor da expansão do Universo, o cientista belga Georges Lemaitre.
A agência espacial europeia acaba de batizar uma de suas naves não-tripuladas, o ATV-5 (Automated Transfer Vehicle), com o nome do astrônomo que foi deixado de lado por décadas pela comunidade científica.
Quando o erro foi finalmente corrigido, em uma pesquisa publicada na revista Nature, sugeriu-se que seria justo, no mínimo, dar o nome de Lemaitre a um telescópio espacial, para rivalizar com o Hubble, que levou o nome daquele que teve o crédito indevido pela descoberta durante décadas.
Pai da teoria do Big Bang
Dar nome a uma nave que se destruirá na reentrada na atmosfera em poucos meses parece pouco para um cientista que, além da descoberta da expansão do Universo, é o idealizador da teoria do Big Bang.
Mas é um começo, e ele estará em boa companhia.
Os ATVs anteriores levaram os nomes de Jules Verne, Johannes Kepler e Edoardo Amaldi - este último, o ATV-3, está com lançamento marcado para Março.
O ATV-4, que será lançado em 2013, terá o nome de Albert Einstein.
O pai da teoria do Big Bang, Georges Lemaitre, terá seu nome estampado no ATV-5, ainda sem data agendada para lançamento.
Os ATVs são usados para levar suprimentos para a Estação Espacial Internacional.
Georges Lemaitre
Georges Lemaitre nasceu em 17 de Julho de 1894 na cidade de Charleroi, na Bélgica.
Ele obteve seu doutoramento em física e matemática em 1920. Em 1923, ele foi ordenado padre católico, o que é frequentemente sugerido como a razão pela qual ele foi deixado de lado pelos seus colegas cientistas.
Já padre, ele se tornou estudante de astronomia na Universidade de Cambridge, na Inglaterra, estudando cosmologia, astronomia estelar e análise numérica.
Em 1925, depois de dois anos de estudos em Harvard e no MIT, nos EUA, ele voltou para a Bélgica e se tornou professor em tempo integral na Universidade Católica de Leuven, onde ficou pelo restante de sua carreira.
Em 1927, Lemaitre descobriu uma família de soluções para as equações da relatividade de Einstein que descreviam um Universo em expansão, em vez de um Universo estático, como se acreditava até então.
Nesse trabalho, ele obteve o primeiro dado observacional daquilo que passaria para a história como a constante de Hubble, que trabalhou em cima dos dados de Lemaitre.
Mais tarde, já com a contribuição de vários outros cientistas, a teoria passou a ser conhecida como Teoria do Big Bang.
Lemaitre morreu em 1966, logo depois de tomar conhecimento da descoberta da radiação de fundo de micro-ondas, que dava provas adicionais da sua teoria sobre o nascimento do Universo.
Fonte: Inovação Tecnológica
Compartilhar:

domingo, 26 de fevereiro de 2012

Verdade ou mito? O uso de micro-ondas faz mal à saúde! Tampar alimentos diminuiria o risco!

Imagem do Google
Mito. Em primeiro lugar, se o micro-ondas pudesse realmente vazar alguma radiação, os níveis desta liberação seriam insignificantes e não ofereceriam perigo à saúde. É o que garante o Centro Americano para Aparelhos e Saúde Radiológica, uma unidade do Food and Drug Administration (FDA), órgão que regulamenta a segurança doméstica dos aparelhos de micro-ondas. Tampar alimentos no aparelho apenas impede de sujar as paredes do micro-ondas. Devem-se utilizar utensílios de vidro para tampar, pois os de plásticos, quando aquecidos, liberam substâncias tóxicas e cancerígenas ao alimento.


Fonte: Só Nutrição
Compartilhar:

sábado, 25 de fevereiro de 2012

Telescópio Hubble encontra Exoplaneta Água


O exoplaneta-água orbita sua fraca estrela, uma anã-vermelha 300 vezes menos brilhante do que o Sol, a cada 38 horas, a uma distância de 2 milhões de quilômetros, o que permite calcular sua temperatura ambiente em algo perto dos 230 ºC.[Imagem: NASA/ESA/D. Aguilar]

Planeta água quente
O telescópio espacial Hubble descobriu uma nova classe de planetas extrassolares.
Menor do que Urano e maior do que a Terra, o exoplaneta é um mundo não apenas coberto, mas formado principalmente por água, rodeado por uma atmosfera gasosa espessa.
"O GJ 1214b é diferente de qualquer outro planeta que conhecemos. Uma fração enorme de sua massa consiste inteiramente de água," contou Zachory Berta, do Centro Harvard-Smithsoniano de Astrofísica.
O exoplaneta GJ 1214b, considerado uma super-Terra, foi descoberto em 2009.
Em 2010, estudos indicaram que sua atmosfera era composta principalmente por vapor d'água
Agora, estudos mais detalhados, incluindo uma nova observação com o telescópio Hubble, ajudaram a descartar outras possibilidades, como uma névoa seca.
As névoas secas são mais transparentes à luz infravermelha do que a luz visível. As observações do Hubble ajudaram a estabelecer que a atmosfera do exoplaneta é condizente com vapor de água.
Materiais alienígenas
Mas veio então a novidade: o planeta parece ser praticamente um exoplaneta água.
Como a massa e o tamanho do exoplaneta foram determinados com bastante precisão, os astrônomos puderam calcular sua densidade - apenas 2 gramas por centímetro cúbico.
A água tem uma densidade de 1 grama por centímetro cúbico, enquanto a densidade média da Terra é de 5,5 gramas por centímetro cúbico.
Isto sugere que o GJ 1214b tem muito mais água do que a Terra, e muito menos rochas.
Por decorrência, a estrutura interna desse exoplaneta água deve ser extraordinariamente diferente da Terra.
"As altas temperaturas e altas pressões [no interior do planeta] devem formar materiais exóticos, como 'gelo quente' e 'água superfluida', substâncias que são completamente alienígenas para nossa experiência diária," disse Berta.
Exoplaneta água
O exoplaneta água está localizado a 40 anos-luz de distância da Terra, na constelação de Ofiúco (ou Serpentário).
Ele tem 2,7 vezes o diâmetro da Terra e pesa quase sete vezes mais.
O GJ 1214b orbita sua fraca estrela, uma anã-vermelha 300 vezes menos brilhante do que o Sol, a cada 38 horas, a uma distância de 2 milhões de quilômetros, o que permite calcular sua temperatura ambiente em algo perto dos 230 ºC.
Fonte: Inovação Tecnológica
Compartilhar:

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Controle de cadeira de rodas com a língua fica melhor e mais discreto


O adaptador intraoral rastreia a localização de um minúsculo ímã, que é posto sobre a língua dos usuários. [Imagem: Georgia Tech/Maysam Ghovanloo]

Dirigindo cadeiras de rodas com a língua
Engenheiros do Instituto de Tecnologia da Geórgia (EUA) desenvolveram uma nova tecnologia para que pessoas com elevados níveis de comprometimento físico dirijam cadeiras de rodas e outros equipamentos robotizados usando apenas a língua.
O equipamento, chamado "Sistema de Direção com a Língua", já havia sido demonstrado há alguns meses, mas médicos e pacientes acharam muito inconveniente o fato de que o paciente precisasse ficar segurando o controle com a boca.
Além disso, era necessário que o cadeirante usasse um equipamento externo, parecido com um fone de ouvido, que perdia a calibragem sempre que o usuário mexia muito a cabeça.
Implante ortodôntico temporário
O novo protótipo permite que os cadeirantes usem apenas uma espécie de aparelho ortodôntico temporário, posto no céu-da-boca, dispensando inclusive o fone de ouvido.
O controle continua sendo feito inteiramente com a língua, mas sem a necessidade de colocá-la para fora ou manter a boca aberta.
Os sensores do aparelho rastreiam a localização de um minúsculo ímã, que é ligado à língua dos usuários.
"Movimentando os sensores dentro da boca, nós criamos um sistema de condução com a língua com melhor estabilidade mecânica e mais conforto, e que passa praticamente despercebido," disse Maysam Ghovanloo, membro da equipe.
Comandando aparelhos com a língua
Os sinais de controle são transmitidos por ondas de rádio para um iPhone ou iPod.
Um programa instalado no aparelho interpreta os comandos da língua determinando a posição relativa do ímã em relação ao conjunto de sensores montados no aparelho intraoral.
Essa informação é então usada para movimentar o cursor em uma tela de computador - permitindo o uso do sistema para controlar outros equipamentos - ou para substituir o joystick de uma cadeira de rodas motorizada.
Outra vantagem da nova versão é que o usuário pode treinar comandos adicionais para posições específicas da língua - virtualmente qualquer quantidade de comandos que ele consiga se lembrar.
Os pesquisadores estão testando o equipamento com pessoas sem deficiência. A seguir, passarão para um teste clínico com pacientes com altos níveis de dano na espinha dorsal.
Fonte: Diário da Saúde
Compartilhar:

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Adesivo inspirado nos pés das lagartixas torna-se realidade



Não olhe para a TV, olhe para a estrutura onde ela está pendurada, com o adesivo seco colocado sobre uma placa de vidro. [Imagem: UMass Amherst]
Pelas paredes
Depois de anos de pesquisas, a promessa de um super adesivo inspirado nos pés das lagartixas parece ter finalmente se cumprido.
O produto foi batizado de GeckSkin, uma união dos termos gecko(lagartixa) e skin (pele).
O protótipo do material é capaz de sustentar mais de 300 quilogramas em um vidro liso, pode ser retirado com um puxão na direção adequada, sem deixar qualquer vestígio, e pode ser reaplicado inúmeras vezes.
Adesivo seco reversível
A alta capacidade, a reversibilidade e o fato de operar inteiramente a seco, transformam o super adesivo em uma opção para a fixação de aparelhos de TV ou monitores de computador nas paredes, afirmam os pesquisadores, de olho em um nicho de mercado.
Mas a verdade é que o adesivo seco e super forte poderá ser utilizado em uma gama virtualmente inumerável de situações.
"Nosso protótipo da Geckskin tem cerca de dez centímetros quadrados e conseguiu manter até 317 quilogramas presos a uma superfície de vidro liso," disse Alfred Crosby, membro da equipe.
A capacidade do adesivo medida no experimento foi de (29.5 N cm-2).
Outra vantagem incomparável do novo adesivo é que ele pode ser retirado com um leve puxão, e ser reaplicado e retirado tantas vezes quantas sejam necessárias, sem deixar nenhum resíduo - exatamente como os pés das lagartixas.
Imagem: Bartlett et al./Advanced Materials
Complexidade de lagartixa
Tentativas anteriores de reproduzir artificialmente a enorme capacidade adesiva dos pés das lagartixas baseavam-se nos pêlos microscópicos, que grudam com base nas forças de van der Waals.
Mas ninguém teve sucesso até agora em reproduzir essas estruturas em larga escala.
Crosby e seus colegas afirmam que os pêlos não são necessários para explicar o poder de adesão dos pés das lagartixas.
Segundo eles, é necessário levar em conta a complexidade do pé inteiro da lagartixa, o que inclui tendões, ossos e pele, que trabalham em conjunto para gerar a adesão reversível.
"É um conceito que não foi levado em conta em outras pesquisas e estratégias de projeto, um conceito que vai abrir novas avenidas de pesquisa na adesão reversível," disse Crosby.
Biomimetismo
O protótipo consiste em um adesivo integrado com uma espécie de almofada, simulando a parte mole do pé da lagartixa, tudo sobre um tecido firme, que permite que o adesivo seja forçado sobre a superfície, para maximizar o contato.
Além disso, como no pé do animal, essa pele artificial de lagartixa é tecida em um tendão sintético, "um desenho que desempenha um papel crucial na manutenção da firmeza e da liberdade rotacional," escrevem os cientistas.
Fonte: Inovação Tecnológica

Compartilhar:

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Estudantes de Altaneira recebem novo fardamento escolar


A Secretaria Municipal de Educação de Altaneira na pessoa de Teresa Leite de Oliveira Secretária, nesta quarta-feira dia 15 de Fevereiro de 2012, fez a entrega do novo fardamento nas Escolas da rede Municipal. É mais um dos compromissos do Governo Municipal em parceria com a Secretaria de Educação.
A satisfação da Secretária com tal evento foi justificado com a grande aceitação por parte dos alunos, que ao receber, faziam questão de experimentar e pousar para fotos.

O fardamento está sendo distribuídos neste primeiro momento no Fundamental I que contempla as escolas: Joaquim Rufino de Oliveira na Sede, Joaquim de Morais Distrito de São Romão e no fundamental II a escola 18 de Dezembro.

Veja abaixo o Slide Fotos da entrega do fardamento.


Fonte: Seduc Altaneira
Compartilhar:

Programa de computador supera QI humano pela primeira vez

Do DNA para o binário? O programa de computador com QI 150 nasceu graças à incorporação de um modelo da forma como os humanos pensam. [Imagem: Miriam Boon]

O que é inteligência?
O que significa inteligência?
No século 19, ser inteligente significava que você tinha uma boa capacidade de memorizar coisas.
No século 20, ser inteligente passou a significar tirar notas altas em teste de QI (quociente de inteligência), cuja média na sociedade era 100 da última vez que foi aferida.
Se isto continua sendo verdade para o século 21, então acabou de nascer um computador muito mais inteligente do que a média dos humanos.
Pesquisadores suecos acabam de criar um programa de computador com um QI de 150.
Teste de QI para computadores
Testes de QI, ou testes de inteligência, são baseados em dois tipos de problemas: matrizes progressivas, que testam a capacidade para ver padrões em desenhos, e sequências numéricas, que testam a capacidade para ver padrões em números.
Os melhores programas matemáticos construídos até hoje só muito raramente atingem um QI igual a 100 - ou seja, ficam abaixo da média humana.
Isso agora foi superado por um programa criado por Claes Strannegard e seus colegas da Universidade de Gotemburgo.
Segundo ele, já é hora de tentar criar programas de computador mais espertos, eventualmente dotadas da chamada inteligência artificial: "Nós estamos tentando criar programas que possam descobrir os mesmos tipos de padrões que os humanos podem ver."
Modelo psicológico
A construção de um programa de computador realmente inteligente foi possível com a integração de um modelo psicológico do comportamento humano.
Por exemplo, imagine a questão "1, 2, ?. O que vem a seguir?".
A maioria das pessoas vai responder 3. Mas um programa matemático ficará em dúvida se os dois números não seriam parte de uma sequência "1, 2, 1, 2", ou "1, 2, 4, 6".
Do ponto de vista matemático, nenhuma das respostas é melhor ou mais correta do que a outra. É por isto que os programas matemáticos falham.
Ao integrar o modelo psicológico, o novo programa passou a se emular um pouco melhor a forma humana de resolver problemas.
Isto o torna capaz de sair-se muito bem com perguntas abertas, em que não há alternativas de resposta, ou múltipla escolha.
Resultado: um programa de computador com QI 150.
Aplicações práticas
Esta combinação de matemática e psicologia tem um enorme potencial de aplicações práticas.
A era da informação está gerando um volume de informações muito acima do que o homem consegue lidar - um fenômeno apelidado de "dilúvio de dados".
Isto porque é difícil encontrar, nessa enxurrada global de números, padrões que possam levar a conclusões úteis.
É o caso dos dados financeiros, da previsão do tempo, da observação astronômica, da busca por civilizações extraterrestres, da visão artificial para robôs, do comportamento de moléculas e bactérias, enfim, de um sem-número de dados científicos.
Como não há ainda uma alternativa à observação humana desses dados, os cientistas têm lançado diversas iniciativas, conhecidas como ciência-cidadã, em que o público é convidado a se voluntariar para procurar padrões nos dados científicos - e fazer descobertas.
A nova abordagem desenvolvida pelos cientistas suecos pode finalmente representar o pássaro que traz um ramo pós-dilúvio no bico.
Mas a equipe parece mais interessada em outras aplicações, como "projetar programas de computador para pessoas que queiram praticar suas habilidades na solução de problemas," afirmam.
Fonte: Inovação Tecnológica
Compartilhar:

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Mito ou verdade? Comer banana evita cãibra!


Imagem do Google

A cãibra é um espasmo ou contração involuntária dos músculos. A sua causa é uma hiper excitação dos nervos que estimulam os músculos, que normalmente é causada por: atividade física rigorosa, desidratação, alterações hiper excitação (depleção de cálcio, sódio, potássio e magnésio), gravidez (normalmente secundário a magnésio baixo), alterações metabólicas como diabetes, hipotireoidismo, alcoolismo e hipoglicemia, doenças neurológicas com Parkinson, doenças do neurônio motor e doenças primárias dos músculos (miopatias), longos períodos de inatividade (sentado em posição inadequada), insuficiência renal, anemia e deficiência de vitamina B1, B5 e B6. 

Então, podemos perceber que não é apenas a banana (rica em potássio) que resolve o problema. O ideal é manter uma hidratação adequada (beber líquidos antes, durante e depois da sessão de exercícios), realizar uma reposição nutricional adequada (particularmente para o sódio), alongar os músculos antes e no término do exercício.

Fonte: Só Nutrição
Compartilhar:

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

ESO mostra o céu como você gostaria de ver



"Jamais verás céu nenhum como este", porque o olho humano não é capaz de enxergar a maioria das estruturas que formam esta maternidade estelar, aqui "traduzidas" do infravermelho em variações de cores que conseguimos perceber.

[Imagem: ESO/T. Preibisch]

Vendo o invisível
O ESO (Observatório Europeu do Sul, divulgou a imagem em infravermelho mais detalhada que já se obteve da Nebulosa Carina, uma maternidade estelar.
Muitas estruturas previamente escondidas à observação pela luz visível, espalhadas pela espetacular paisagem celeste de gás, poeira e estrelas jovens, são agora visíveis.
Segundo a instituição, esta é uma das imagens mais extraordinárias já obtidas pelo VLT (Very Large Telescope).
Embora esta nebulosa seja espetacular em imagens na faixa visível do espectro, o certo é que muitos dos seus segredos se encontram escondidos por detrás de espessas nuvens de poeira.
Para conseguir penetrar este véu, uma equipe de astrônomos europeus liderada por Thomas Preibisch (Observatório da Universidade, Munique, Alemanha), utilizou o VLT e a sua câmara infravermelha HAWK-I para encontrar coisas que o olho humano não consegue ver naturalmente.
Acima, a imagem em infravermelho.
Abaixo, a mesma área como nossos olhos
veriam. Imagem: ESO
Segredos por revelar
Centenas de imagens individuais foram combinadas para criar esta imagem, que é o mosaico infravermelho mais detalhado já obtido para esta nebulosa.
Ela revela não apenas as estrelas brilhantes de grande massa, mas também centenas de milhares de estrelas muito mais tênues, nunca vistas até agora.
A ofuscante estrela Eta Carinae aparece na parte inferior esquerda da nova imagem. Ela está rodeada por nuvens de gás que brilham devido à intensa radiação ultravioleta. Ela irá explodir como uma supernova num futuro próximo - em termos astronômicos.
Por toda a imagem aparecem também muitos nódulos compactos escuros, que permanecem opacos mesmo no infravermelho. São casulos de poeira onde novas estrelas se encontram em formação.
Por que o pôr-do-sol é avermelhado?
A Nebulosa Carina situa-se a cerca de 7.500 anos-luz de distância da Terra, na constelação Carina, a quilha do navio mitológico Argo, de Jasão e os Argonautas.
Esta nuvem de gás e poeira brilhante é uma das incubadoras de estrelas de grande massa mais próximas da Terra, incluindo várias das estrelas mais brilhantes e de maior massa que se conhece.
No espaço, regiões com poeira absorvem e espalham mais a radiação azul, de menor comprimento de onda, do que a radiação vermelha, de maior comprimento de onda.
Este efeito explica também porque o pôr-do-sol na Terra geralmente é avermelhado, particularmente quando a atmosfera está carregada de poeira.
Em algumas partes do céu, onde existe mais poeira, principalmente em regiões de formação estelar, como é o caso da Nebulosa Carina, este efeito é tão forte que nenhuma radiação visível consegue passar.
Fonte: Inovação Tecnológica
Compartilhar:

domingo, 19 de fevereiro de 2012

Tecnologias eletrizantes a bordo do primeiro carro de corrida elétrico

O carro de corrida elétrico Lola-Drayson B12/69EV reune um conjunto de tecnologias que tornam o protótipo realmente competitivo. [Imagem: Lola]
Carro elétrico de corrida
Carros de corrida verdadeiramente competitivos têm que trabalhar sempre no limite entre o desempenho e a confiabilidade.
Não será diferente para os carros elétricos de corrida.
É o que se pode ver no protótipo apresentado no Reino Unido por um consórcio de 10 empresas, liderado pela Drayson Racing Technologies, e pela Lola Cars.
Como já se discute quando entrará na pista o primeiro Fórmula 1 totalmente elétrico, a equipe Lola-Dyson mostrou que não quer ficar para trás.
Capaz de atingir até 320 km/h, o carro elétrico de corrida, chamado B12/69EV, reuniu um conjunto de tecnologias que tornam o protótipo realmente competitivo.
Entre essas tecnologias destacam-se a "bateria estrutural" - peças do carro que são elas próprias baterias -, o recarregamento das baterias pela suspensão e a captura de energia sem fios a partir da própria pista.

Imagem: BAE
Bateria estrutural
Construída pela BAE Systems, a bateria estrutural é construída no interior de algumas das peças de fibra de carbono que compõem a carroceria do carro.
A tecnologia usa a química das baterias de níquel que, embora não seja a mais eficiente de que se dispõe, é compatível com a fibra de carbono, o que permite sua fabricação em virtualmente qualquer formato.
Segundo a BAE, não se trata de enfiar uma bateria fina no meio das placas de fibra de carbono: os materiais químicos que compõem a bateria são mesclados no próprio compósito, permitindo que fabricação em qualquer formato.
O único inconveniente é a baixa densidade energética, equivalente a um terço da energia armazenada em uma bateria comum de carro, do tipo chumbo-ácida, e um décimo de uma bateria de lítio, do tipo usada em celulares e notebooks.
Ainda assim é uma vantagem, uma vez que a bateria é adicionada ao carro virtualmente sem custos em termos de peso, já que ela própria é uma peça do carro, com função estrutural ou aerodinâmica.
A energia fornecida pela bateria estrutural será utilizada para alimentar sistemas eletrônicos do carro, e não para sua propulsão.

Imagem: Lola
Suspensão regenerativa
Outra tecnologia usada no B12/69EV representa um passo à frente dos sistemas regenerativos, também conhecidos como KERS, que usam a energia cinética das frenagens para gerar energia.
A parceira Multimatic construiu um sistema de suspensão regenerativa, com bobinas que foram integradas ao sistema de suspensão do carro.
Isto significa que cada oscilação do carro será aproveitada para gerar eletricidade.
Essa energia ficará armazenada em um capacitor, e será usada para acionar as superfícies aerodinâmicas móveis do carro.

Abastecer sem parar
A HaloIPT, uma divisão da Qualcomm, está trabalhando em um sistema para recarregar as baterias principais, que precisam levar o carro até o fim da corrida.
A empresa desenvolveu um sistema de bobinas de cobre, acondicionadas em uma estrutura em barra, que é posicionada no assoalho do carro.
Mantas igualmente contendo bobinas devem ser montadas na pista, o que levanta dúvidas sobre seu uso prático a curto prazo, uma vez que elas exigirão mudanças nos circuitos.
Mas os projetistas afirmam que as bobinas de recarregamento não precisam estar ao longo de toda a pista. Ademais, defendem, a tecnologia precisa ser desenvolvida, uma vez que já há interesse em seu uso nas rodovias e ruas das cidades. Ver postagem: Estrada magnética fornece energia para carros elétricos 

Fonte: Inovação Tecnológica

Compartilhar:
←  Anterior Proxima  → Página inicial

Visitantes no Globo

On line

Total de visualizações

Arquivo do blog

Mais visualizadas do mês

Seguidores