>
Olá, seja muito bem-vindo a esse ambiente! Espero que ele possa atender suas expectativas!

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Robôs professores poderão ensinar humanos?

Você se arriscaria a dizer quem é o professor e quem é o aluno?[Imagem: Bilge Mutlu Lab]
Mestre Robô

Os cientistas conhecem muito bem as dificuldades de ensinar aos robôs mesmo as tarefas mais simples.

Isso tem levado alguns a tentar com que os robôs aprendam sozinhos, ou que aprendam com sua própria experiência ou até mesmo, quem sabe, lendo uma Wikipedia robótica.

Por isso não deixa de impressionar o objetivo a que se propuseram Bilge Mutlu e Michael Gleicher, da Universidade de Wisconsin-Madison, nos Estados Unidos.
Eles querem criar robôs capazes de ensinar aos seres humanos.

Pode parecer pretensioso pensar que os robôs já tenham alcançado um nível que os permita substituir um professor humano em uma sala de aula, mas os primeiros testes em robôs e personagens virtuais trazem algum entusiasmo, se não com uma aula ao vivo, pelo menos em instruções mais breves ou em aprendizado via computador.

Pedagogia robótica

Como é relativamente fácil dar a um robô o acesso a qualquer base de dados e a um número ilimitado de instruções, os pesquisadores se voltaram para algo que pode fazer a diferença: o comportamento dos robôs.

Segundo eles, robôs que olham e gesticulam como humanos são muito mais eficazes para passar informações, como já demonstraram em laboratório.

E, quando se trata de comunicação, às vezes é a nossa linguagem corporal que fala mais - especialmente os nossos olhos.

Imagem: Neural Networks
Para demonstrar isso, um pequeno robô amarelo recebe voluntários que entram no laboratório: "Oi, eu sou Wakamaru, prazer em te conhecer. Eu tenho uma tarefa para você: organize esses objetos sobre a mesa por categorias, colocando-os nas caixas."

Com alguns voluntários, o robô, muito naturalmente, olha em direção aos objetos enquanto fala. Com outros, o robô apenas olha diretamente para a pessoa.

Mutlu diz que os resultados são bastante claros: "Quando o robô usa o olhar como um humano o faria, as pessoas são muito mais rápidas em localizar os objetos que têm que mover."

Modelagem de comportamentos

E é principalmente assim, observando humanos, que os dois pesquisadores estão rastreando o papel do olhar, e as informações que o olhar humano transmite na comunicação, que eles planejam desenvolver algoritmos de controle que possam ser associados com as informações textuais que os robôs ou personagens virtuais têm que passar.

"São comportamentos que podem ser modelados e, em seguida, programados nos robôs para que eles, os comportamentos, possam ser usados pelo robô sempre que necessário, para se referir a algo e certificar-se de que as pessoas entendam a que o robô está se referindo," explica Mutlu.

A teoria está sendo testada em um agente virtual, este sim, capaz de dar aulas pelo computador.

Ao dizer "Olá. Hoje eu vou lhes falar um pouco sobre a história da China Antiga", o personagem "sabe" que há um mapa da China sendo projetado atrás de si e, de forma quase natural, vira-se, olha e aponta para o mapa, como se fosse a moça da previsão do tempo durante os telejornais.

Isso encorajou os dois pesquisadores a falarem em robôs em salas de aula, não como alunos, mas como professores.

"Nós podemos projetar tecnologias que realmente beneficiem as pessoas no aprendizado, na saúde e no bem-estar, e em trabalhos colaborativos," conclui Mutlu.

Fonte: Inovação Tecnológica
Compartilhar:
←  Anterior Proxima  → Página inicial

2 comentários:

  1. Caro amigo Paulo Robson,essa postagem sua abre um leque muito grande para um debate.Apesar de toda tecnologia ainda vejo o homem em determinados setores sem substituto.Em uma sala de aula onde os temas são variados e o comportamento individual dos alunos também ficaria inviável uma máquina controlar o sentimento humano.Chegaria ao ponto de a criatura se rebelar contra o criador.Seria ótimo ouvir outras opiniões para chegarmos a um ponto de vista mais próximo da resposta correta.

    ResponderExcluir
  2. Concordo inteiramente com você, Danubio, certamente o professor, ainda, é uma das mais nobres profissões.

    Não vejo com bons olhos a ideia de máquinas substituírem pessoas neste caso, tanto porquê, não é apenas um conteúdo didático que está sob orientação dos mestres, mas de maneira geral todo um conjunto de sentimentos, emoções e relações de convivência que ultrapassam a compreensão dos robôs.

    Concordo também quando você afirma que daria uma ótima discussão. Esperemos mais alguém pronunciar-se a repeito.

    Abraço e, mais uma vez, muito obrigado pela colaboração.

    ResponderExcluir

Com seus comentários, você ajuda a construir esse ambiente. Sempre que opinar sobre as postagens, procure respeitar a opinião do outro.

Muito obrigado por participar de nosso Blog!

Abraços!

Visitantes no Globo

On line

Total de visualizações

Arquivo do blog

Mais visualizadas do mês

Seguidores