>
Olá, seja muito bem-vindo a esse ambiente! Espero que ele possa atender suas expectativas!

sábado, 30 de junho de 2012

Hubble capta estrela arrancando atmosfera de exoplaneta


Os pesquisadores calculam que pelo menos 1.000 toneladas de gás estão deixando a atmosfera do planeta a cada segundo.[Imagem: NASA]

Erupção estelar
Uma equipe internacional de astrônomos, usando dados do Telescópio Espacial Hubble, detectou mudanças significativas na atmosfera de um planeta localizado fora do nosso Sistema Solar.
Os cientistas concluíram que as variações atmosféricas ocorreram em resposta a uma fortíssima erupção da estrela, um evento observado por um outro telescópio da NASA, o Swift.
"A cobertura com múltiplos comprimentos de onda do Hubble e do Swift nos deu uma visão sem precedentes da interação entre uma erupção em uma estrela ativa e a atmosfera de um planeta gigante," disse o coordenador da pesquisa, Alain Lecavelier, do Instituto de Astrofísica de Paris.
Júpiter quente
O exoplaneta é o HD 189733b, um gigante gasoso semelhante a Júpiter, mas cerca de 14% maior e mais massivo.
Os astrônomos classificam-no como um "Júpiter quente". Observações anteriores do Hubble mostraram que a atmosfera do exoplaneta atinge uma temperatura superior a 1.000º C.
O planeta orbita sua estrela a uma distância de apenas 3 milhões de quilômetros, cerca de 30 vezes mais perto que a distância da Terra ao Sol, e completa uma órbita a cada 2,2 dias.
A estrela, chamada HD 189733A, tem cerca de 80% do tamanho e da massa do nosso Sol.
Os pesquisadores calculam que pelo menos 1.000 toneladas de gás estão deixando a atmosfera do planeta a cada segundo.
Os átomos de hidrogênio estão sendo ejetados em velocidades superiores a 480.000 km/h.
Fonte: Inovação Tecnológica
Compartilhar:

quinta-feira, 28 de junho de 2012

IPT desenvolve tecnologia de borracha em pó


A borracha em forma de pó ultrafino é uma alternativa mais simples para várias aplicações, em comparação com o uso do material em bloco. [Imagem: IPT]
Borracha em pó
Pesquisadores do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) de São Paulo estão desenvolvendo uma nova técnica para fabricação de borracha em pó.
O objetivo da pesquisa é desenvolver uma rota química de produção a partir do látex sintético, para aplicação no aumento da resistência de diversos tipos de materiais plásticos e para a elaboração de resinas poliméricas.
Para preencher uma lacuna tecnológica pouco explorada atualmente dentro e fora do Brasil, os pesquisadores brasileiros estão empregando uma técnica de secagem por aspersão, ou spray drying.
A borracha em forma de pó ultrafino é uma alternativa mais simples para várias aplicações, em comparação com o uso do material em bloco.
Os blocos demandam operações de moagem e pulverização, enquanto a borracha em pó pode ser adicionada diretamente aos processos industriais.
Processo contínuo
A técnica mais comum para a obtenção da borracha em pó emprega a irradiação da emulsão para promover uma modificação na estrutura do látex antes da secagem em spray dryer.
Mas o processo apresenta, gargalos como a necessidade de uma infraestrutura em grande escala e riscos à saúde dos trabalhadores.
Já o projeto do IPT emprega uma técnica simples, que opera em processo contínuo, e de baixo custo.
O látex sintético é modificado quimicamente por meio de monômeros funcionais e óxido coloidal, que irão compor uma mistura submetida posteriormente à secagem em um equipamento de spray dryer.
Foram estudados dois tipos de látex, o estireno-butadieno e o estireno-butadieno carboxilado, sendo que o primeiro apresentou melhores resultados no quesito viabilidade econômica.
Tintas especiais
O projeto tem prazo de conclusão em abril de 2013, mas os bons resultados obtidos já possibilitaram o pedido de depósito de uma patente e podem expandir o emprego das novas formulações:
"O foco do projeto é a aplicação da borracha em pó para aumentar a resistência ao impacto dos plásticos, mas ela poderá ser também uma alternativa viável para as indústrias, como aditivo em tintas especiais ou modificador de impacto em concreto ou pisos, por exemplo", completa Lucilene Betega de Paiva, coordenadora do projeto.
Fonte: Inovação Tecnológica
Compartilhar:

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Comissão do PNE na Câmara aprova 10% do PIB para a educação


Imagem do Google
A comissão especial do Plano Nacional de Educação (PNE) aprovou na noite desta terça-feira (26), na Câmara dos Deputados, a aplicação de 10% do Produto Interno Bruto (PIB) em políticas de educação ao longo de dez anos, ou seja, até 2020 quando termina a vigência do plano.
A proposta aprovada diz ainda que até chegar aos 10%, a aplicação deve ser no mínimo de 7% do PIB. Hoje o país aplica 5,1% do PIB no setor, incluindo recursos da União, dos estados e municípios. Para vigorar, o texto ainda precisa ser aprovado pelo Senado.
Em nota, o Ministério da Educação afirma que para se chegar aos 10% do PIB será necessário uma  "tarefa política difícil". Segundo a nota, a proposta aprovada pela Comissão Especial da Câmara dos Deputados que analisa o PNE equivale, na prática, ao longo da década, a dobrar em termos reais os recursos para a educação nos orçamentos das prefeituras, dos governos estaduais e do governo federal.
“Em termos de governo federal equivale a colocar um MEC dentro do MEC, ou seja, tirar R$ 85 bilhões de outros ministérios para a Educação. É uma tarefa política difícil de ser executada”, explicou o ministro Aloizio Mercadante.
O Ministério da Educação vai estudar as repercussões e as implicações da decisão e vai aguardar ainda a tramitação no Senado Federal.
Salários dos professores
Ainda nesta terça foi aprovada a meta de equiparação do salário dos professores ao rendimento dos profissionais de escolaridade equivalente. O relatório do deputado Angelo Vanhoni (PT) previa a equiparação até o final da vigência do plano, que é de dez anos. A proposta, no entanto, estabelece a equiparação até o final do sexto ano do PNE.
O Plano Nacional de Educação está em análise na Câmara desde o final de 2010 e define diretrizes para a educação brasileira na próxima década, por meio de 20 metas. Elaborado a partir de 2.906 emendas apresentadas por parlamentares e entidades da sociedade civil, o relatório foi feito a partir do projeto de lei feito pelo Ministério da Educação e enviado ao Congresso pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva em dezembro de 2010.
Fonte: G1

Compartilhar:

Olimpíada do conhecimento ocorrerá junto com Olimpíada de 2016


Imagem do Google

Competição intelectual
A Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) e a Academia Brasileira de Ciência (ABC) propuseram ao governo federal promover uma olimpíada internacional do conhecimento.
O evento ocorreria paralelamente aos Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro.
As competições incluiriam diversas "modalidades", incluindo astronomia, matemática, física, química e biologia, divididas em categorias, correspondentes aos diferentes níveis de ensino.
"O que nós propusemos foi o Brasil aproveitar os Jogos para fazer também uma olimpíada do conhecimento envolvendo diferentes áreas do saber. A ideia é envolver as escolas em um processo de difusão do conhecimento", explicou a presidenta da SBPC, Helena Nader.
Ídolos cientistas
O interesse é que, além de seguir o exemplo dos esportistas, os estudantes também possam se inspirar nos cientistas.
"Como é que faz para que o jovem deseje não só ser igual ao Neymar, mas também queira subir ao pódio porque fez uma prova sensacional de matemática, português ou ciências?", perguntou Helena
Para ela, a olimpíada do conhecimento pode ser um grande estímulo para a aprendizagem e até para a carreira científica.
Espírito científico
O ministro da Educação gostou da ideia.
"Esta será a melhor herança [da Rio 2016]: criar espírito olímpico na sala de aula em busca do conhecimento", disse o ministro da Educação, Aloizio Mercadante. Segundo ele, é preciso primeiro unificar o calendário das olimpíadas nacionais até 2015 e, "em 2016, tentar construir a primeira olimpíada do conhecimento e da juventude internacional para entrar no calendário olímpico".
O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Marco Antonio Raupp, também gostou da proposta.
"As olimpíadas estão se transformando em plataforma educacional. Elas são estruturadas de tal maneira que vão muito além do concurso que promovem", disse Raupp, ao lembrar que as olimpíadas integram a educação básica e o ensino superior.
Fonte: Inovação Tecnológica
Compartilhar:

terça-feira, 26 de junho de 2012

NASA mostra Terra vista "de cima"

O principal objetivo do satélite Suomi é coletar dados sobre as mudanças climáticas globais.[Imagem: NASA/GSFC]
Vista "aérea"

A NASA divulgou uma imagem da Terra vista a partir de uma posição acima do Pólo Norte.

A imagem foi captada pelo satélite de observação Suomi, lançado em Outubro de 2011.

Foram necessárias 15 órbitas do satélite para que uma de suas câmeras tivesse tempo e longitude suficientes para capturar fotos de toda a região, que foram compostas nesta imagem final.

Perguntas não respondidas

O Suomi representa a nova geração de satélites de observação da Terra, depois da geração EOS (Earth Observing System), com os satélites Aqua, Terra e Aura.

A partir daquelas missões iniciais, que observaram a água, o solo e a atmosfera, a NASA montou um novo programa de observações para responder perguntas que não foram respondidas pelas três missões, ou que surgiram dos dados coletados por elas.

O Suomi gira 14 vezes em torno da Terra todos os dias, em uma órbita polar, o que permite que ele veja quase o planeta inteiro a cada 24 horas.

Fonte: Inovação Tecnológica
Compartilhar:

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Dia 30 de junho terá um segundo a mais

Foto: NASA/GSFC/Suomi NPP
O dia 30 de junho vai durar um segundo a mais, informou nesta sexta-feira (22) o Observatório Naval dos Estados Unidos.

A medida serve para ajustar os relógios com o período de rotação da Terra.
Difícil é conseguir fazer essa mudança, pois já é praticamente impossível acertar os minutos de um relógio para outro.
Além de ganhar um segundo no sábado da semana que vem, 2012 é um ano bissexto, com um dia a mais no calendário – 29 de fevereiro.
Fonte: G1
Compartilhar:

domingo, 24 de junho de 2012

Mais um dia de seminário no Curso de Especialização da Urca

Foto: Prof. Vladmir - Aluno da Turma
Tivemos nesta sexta, dia 22, mais um dia de aulas ministradas pelos alunos do Curso de Especialização em Ensino de Física da universidade Regional do Cariri.

Na oportunidade todos os cursistas deveriam apresentar um seminário na forma de aula expositiva dos mais diversos conteúdos de Física estudados durante todo o ensino médio. Os trabalhos deveriam ser desenvolvidos tendo como base o livro Física Conceitual, do Paul G. Hewitt.

A referida aula, serviria também, como recurso de avalização da disciplina em questão, Física no Ensino Fundamental e Médio, sob orientação da professora Joelma Monteiro de Sousa.

Ficamos com a incumbência de abordar os assuntos da Eletrostática, utilizando como recurso básico os mapas conceituais repletos de figuras, fotos, experimentos, enfim, de maneira a dinamizar o máximo possível a aula.

Outros assuntos foram excelentemente trabalhados pelos colegas que completam a turma. "Este curso tem sido uma experiência fantástica, na qual, em cada encontro temos melhorado cada vez mais nosso desempenho profissional" Afirmou Francisco Nascimento, aluno da turma.
Compartilhar:

sábado, 23 de junho de 2012

Proximidade de planetas impressiona astrônomos


Nenhum dos dois planetas tem condições de habitabilidade, mas esta ilustração artística dá uma boa ideia do cenário que se teria com um vizinho tão grande e tão próximo.[Imagem: Eric Agol]
"Lua" azul
Lembre-se da magnitude e da beleza da Lua Cheia nascendo.
Agora imagine que, em vez da Lua, surja no céu um planeta azul, só que três vezes maior.
Esse é cenário que ocorre no inusitado sistema planetário Kepler-36, que acaba de ser descoberto pelos astrônomos.
A estrela é parecida com o Sol, só que bem mais velha.
O Kepler-36b é um planeta rochoso, com 1,5 vez o tamanho da Terra e pesando 4,5 vezes mais. Ele orbita a estrela a cada 14 dias, a uma distância de 17,7 milhões de km.
O segundo planeta, o Kepler-36c, é um gigante gasoso, parecido com Netuno. Ele é 3,7 vezes maior do que a Terra e pesa 8 vezes mais. Ele orbita a estrela a cada 16 dias, a uma distância de 19,3 milhões de km.
Ou seja, são os dois planetas mais próximos já descobertos até hoje.
Conjunção
Os dois têm uma conjunção a cada 97 dias, quando ficam separados por menos do que 5 vezes a distância entre a Terra e a Lua.
Como o Kepler-36c é muito maior do que a Lua, do ponto de vista do rochoso Kepler-36b ele aparece em uma visão espetacular.
Coincidentemente, do ponto de vista inverso - olhando o planeta rochoso a partir do gigante gasoso - o vizinho aparece do tamanho da Lua Cheia.
Não é um mundo para se viver.
Em primeiro lugar porque são dois planetas com temperaturas extremas.
Além disso, a aproximação gera gigantescas marés gravitacionais, que comprimem e esticam os dois planetas.
Ainda não há uma teoria para explicar como o gigante gasoso pode se manter tão perto da estrela - no Sistema Solar, os gigantes gasosos ficam muito afastados da estrela.
Nenhum dos dois planetas tem condições de habitabilidade, mas esta ilustração artística dá uma boa ideia do cenário que se teria com um vizinho tão grande e tão próximo.[Imagem: Eric Agol]
Fonte: Inovação Tecnológica
Compartilhar:

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Iniciado o Projeto AME Altaneira


Na manhã desta terça-feira, 19, aconteceu um encontro no auditório do CRAS, em nossa cidade com uma equipe de professores da Universidade Regional do Cariri, algumas autoridades locais, representantes de instituições e um grupo de professores da rede municipal de ensino, cujo objetivo principal foi dar o ponta-pé inicial no Projeto AME Altaneira.

Este projeto consiste em criar um Atlas Municipal Escolar do município de Altaneira.

O Atlas tem como finalidade a construção do conhecimento histórico e geográfico a partir do estudo de nossa localidade. Ele propõe desenvolver a educação cartográfica com alunos e professores, oferecendo fundamentação básica para o saber histórico e geográfico, oportunizando a formação continuada do professor. O AME auxiliará alunos e professores a construírem um melhor entendimento de nossa realidade.

"Elaborar uma Atlas Municipal Escolar de Altaneira a ser apresentado e utilizado como recurso didático por alunos e professores será um desafio compartilhado por todos nós" Foi o que afirmou o professor Jörn Seemann, Geógrafo (PhD), da URCA, em seu pronunciamento. Além dele, participaram do encontro os professores Glauco Vieira, Antonia Carlos e Lourdes Carvalho, da mesma instituição.

Ficou acertado como primeira etapa deste processo a coleta de informações, materiais disponíveis/acessíveis: plantas da cidade do passado e do presente, mapas municipais, plantas da CAGECE, fotografias atuais ou não, além do próximo encontro para outro diálogo neste dia 03 de julho.

Qualquer cidadão altaneirense que puder nos ajudar com tais recursos, podem estar entrando em contato conosco pelos emails professor@paulorobson.com / profpaulorobson@live.com.
Compartilhar:

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Físicos propõem existência de Universo paralelo

O desaparecimento repentino de nêutrons, que não pode ser explicado pela física atual, pode ser o sinal da existência de um universo-espelho. [Imagem: Andrey Prokhorov/Site Inovação Tecnológica]


Partículas-espelho
Uma anomalia no comportamento de partículas subatômicas comuns pode ser o sinal da existência de partículas-espelho, que transitam entre o nosso Universo e um universo paralelo.
O fenômeno também poderia oferecer uma explicação para a matéria escura, como hoje os cientistas chamam um ponto de interrogação que representa a massa que parece estar faltando no Universo.
Dois cientistas italianos usaram a hipótese da existência das partículas-espelho para explicar uma anomalia nos experimentos, onde os nêutrons parecem desaparecer.
A existência dessa matéria-espelho tem sido sugerida em vários contextos científicos nos últimos tempos, incluindo a procura de candidatos adequados para explicar a matéria escura.
Os físicos Zurab Berezhiani e Fabrizio Nesti, da Universidade de L'Aquila, reanalisaram os dados experimentais obtidos pelo grupo de pesquisa de Anatoly Serebrov, no Instituto Laue-Langevin, França.
Mistério dos nêutrons que desaparecem
Eles mostraram que a taxa de perda de nêutrons livres muito lentos parece depender da direção e da intensidade do campo magnético aplicado.
Essa anomalia não pode ser explicada pela física conhecida.
Os cientistas acreditam que a perda de nêutrons pode ser interpretada à luz de um mundo paralelo hipotético formado por partículas-espelho.
Os nêutrons parecem estar oscilando na fronteira entre dois universos paralelos, indo e voltando de um para o outro. [Imagem: Berezhiani/Nesti]
Cada nêutron teria a capacidade de fazer uma transição para esse seu gêmeo invisível, e voltar, oscilando de um mundo para o outro.
A probabilidade dessa transição foi calculada como sendo dependente da presença de campos magnéticos.
Assim, o mundo invisível das partículas-espelho poderia ser detectado experimentalmente.
Essa oscilação nêutron-espelho-nêutron pode ocorrer em uma escala temporal de poucos segundos, segundo os pesquisadores.
Matéria escura
A possibilidade desse desaparecimento rápido de nêutrons - muito mais rápido do que o decaimento de nêutrons, com seus 10 minutos de duração - embora surpreendente, não pode ser excluído pelos atuais limites experimentais e astrofísicos.
Esta interpretação é sujeita à condição de que a Terra possui um campo magnético espelho da ordem de 0,1 Gauss.
Tal campo pode ser induzido por partículas-espelho flutuando na galáxia - algo como a matéria escura.
Hipoteticamente, a Terra poderia capturar a matéria-espelho por meio de interações fracas entre as partículas comuns e as partículas desses mundos paralelos.
Fonte: Inovação Tecnológica

Compartilhar:

terça-feira, 19 de junho de 2012

Humanidade pesa 287 milhões de toneladas


Imagem do Google

Biomassa humana
Se o assunto é produção de alimentos de forma sustentável, o peso da população pode ser mais importante do que o seu número.
É o que defendem pesquisadores britânicos, em um estudo inusitado, no qual eles calcularam o peso de todos os humanos juntos.
Estima-se que a população mundial tenha superado os 7 bilhões de indivíduos, e todas essas pessoas precisam se alimentar.
No entanto, a necessidade de energia de uma espécie não depende apenas do número de indivíduos, mas também da sua massa média.
Os pesquisadores estimaram a massa total da população humana, e definiram sua distribuição por região, e a proporção dessa "biomassa" devida ao excesso de peso e à obesidade.
Peso da humanidade
Os pesquisadores estimaram o peso da população humana adulta em 287 milhões de toneladas - algo como 5.400 Titanics.
15 milhões dessas toneladas devem-se ao excesso de peso, e outros 3,5 milhões devem-se à obesidade.
Enquanto a massa corporal média global foi de 62 kg, na América do Norte, que tem a maior massa corporal de todos os continentes, o peso médio por indivíduo chega aos 80,7 kg.
A América do Norte tem apenas 6% da população mundial, mas 34% da biomassa humana, devido à obesidade.
Em contraste, a Ásia tem 61% da população mundial, mas apenas 13% da biomassa humana.
Massa e queima de energia
"Nossos resultados enfatizam a importância de olhar para a biomassa, em vez de apenas para os números populacionais, quando se considera o impacto ecológico de uma espécie, especialmente dos humanos," disse Sarah Walpole, uma das autoras do estudo.
"Todo o mundo concorda que o crescimento populacional ameaça a sustentabilidade ambiental global - o nosso estudo mostra que a gordura da população também é uma grande ameaça. A menos que enfrentemos tanto o crescimento da população quanto a gordura, nossas chances são magras," disse o professor Ian Roberts, coautor dos cálculos do peso humano sobre a Terra.
Até metade de todos os alimentos consumidos queimam-se na atividade física.
Aumentar a massa significa maiores exigências de energia, porque é preciso mais energia para mover um corpo pesado. Mesmo em repouso um corpo maior queima mais energia.
Fonte: Diário da Saúde
Compartilhar:

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Seduc realiza Seminário Estadual sobre Reorganização Curricular do Ensino Médio


Imagem do Google

A Secretaria da Educação (Seduc) realiza nos dias 19 e 20 de junho, o Seminário Estadual de Reorganização Curricular do Ensino Médio, com o tema “Escola e Currículo para as Juventudes”.  O evento acontece na Faculdade FIC, na rua Visconde de Mauá, 1940, Aldeota, das 8h30min às 17 horas. Pela manhã, o encontro será no auditório central, enquanto à tarde, no mini auditório, no 4º andar.


Estarão presentes professores, gestores escolares, técnicos da Secretaria e representantes da Unesco, Instituto Unibanco e Instituto Aliança. O objetivo é discutir possibilidades e propostas que sinalizem mudanças no currículo do Ensino Médio, que o torne mais significativo para os jovens da rede estadual.



O Seminário também pretende aprofundar discussões sobre o cenário de transformações educacionais para os próprios anos. O trabalho terá como base as mudanças nas Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio e a publicação de diversos estudos sobre os desafios desta etapa de ensino.



No último 7 de maio, na Escola de Ensino Médio César Cals, localizada em Fortaleza, foi lançada uma proposta de Reorganização Curricular do Ensino Médio. No início, 12 escolas da rede estadual de ensino do Ceará recebem o projeto, também  inspirado nas  Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio (Resolução CNE nº 2, de 30 de janeiro de 2012) e nos Protótipos Curriculares para o Ensino Médio elaborados pela UNESCO, representação no Brasil.



Conforme a Coordenadoria de Aperfeiçoamento Pedagógico da Seduc, a principal novidade desta Reorganização Curricular é o redimensionamento dos tempos das disciplinas e a estruturação do Núcleo Trabalho, Pesquisa e Práticas Sociais, onde trabalho e pesquisa configurarão como princípios educativos. Este Núcleo tem como finalidades a superação da fragmentação dos conteúdos escolares, o envolvimento dos estudantes em práticas de pesquisa e intervenção sob a orientação de seus educadores, o estímulo do protagonismo estudantil, fincado nos princípios da  aprendizagem cooperativa.


A iniciativa foi estruturada pela Seduc, em parceria com o Instituto Aliança, responsável pela concepção e acompanhamento do Projeto Com.Domínio Digital, desenvolvido em 30 escolas estaduais. A Secretaria disponibilizará 40 notebooks para cada uma das doze escolas que participará desta primeira etapa de implantação desta proposta. Estes equipamentos serão usados pelos estudantes em suas atividades acadêmicas na escola, principalmente relacionadas às atividades do Núcleo.

Fonte: Seduc CE
Compartilhar:

domingo, 17 de junho de 2012

Enem fecha inscrições com recorde de mais de 6 milhões de candidatos


As inscrições para a edição deste ano do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem 2012) foram encerradas às 23h59 desta sexta-feira (15). De acordo com o balanço final divulgado pelo Ministério da Educação, o sistema recebeu um total de 6.497.466 de inscrições. É o maior número de candidatos inscritos da história do exame.
Quem fez a inscrição para o Enem, que é usado como parte ou íntegra do processo seletivo de universidades públicas e particulares, deverá fazer o pagamento da taxa, de R$ 35, até a quarta-feira (20). O pagamento deve ser feito em agências bancárias por meio de uma guia gerada pelo próprio sistema. As provas do Enem 2012 serão feitas nos dias 3 e 4 de novembro.
Fonte: G1
Compartilhar:

sábado, 16 de junho de 2012

NASA: há chances de asteroide atingir a Terra em 2040

expectativserá se, em Fevereiro de 2023, o 2011 AG5 passará ou não através de umregião no espaço que os astrônomos chamam de "buraco de fechadura", medindo 365 quilômetros de diâmetro. [Imagem: NASA/JPL-Caltech]
2011 AG5

As observações feitas até o momento indicam que há uma pequena chance de que o asteroide 2011 AG5, descoberto em janeiro de 2011, atinja a Terra em 2040.

Este foi o consenso dos participantes de um encontro internacional promovido pela NASA para discutir as observações do asteroide feitas por astrônomos de todo o mundo, usando telescópios terrestres e espaciais.

O 2011 AG5 mede 140 metros de diâmetro.
Segundo a agência espacial, é provável que as observações ao longo dos próximos 4 anos reduzam a probabilidade do impacto para menos de 1%.

Buraco de fechadura

O nível de risco vai ganhar ainda mais clareza em 2023, quando o asteroide chegará a aproximadamente 1,8 milhão de quilômetros da Terra.

A expectativa será se, em Fevereiro de 2023, o 2011 AG5 passará ou não através de uma região no espaço que os astrônomos chamam de "buraco de fechadura", medindo 365 quilômetros de diâmetro.

Se ele passar por essa região, a atração gravitacional da Terra poderá influenciar a órbita do asteroide o suficiente para trazê-lo de volta para uma rota de colisão, que ocorreria em 05 de fevereiro de 2040.

Se o asteroide não passar pelo buraco da fechadura, um impacto em 2040 será descartado.

"Dado o nosso entendimento atual da órbita deste asteroide, há apenas uma chance muito remota de que esta passagem pelo buraco de fechadura ocorra," disse Lindley Johnson, do programa NEO, da NASA (Near-Earth Object Observation, observação de objetos próximos à Terra).

Estado de atenção

"Embora haja um consenso geral de que há apenas uma chance muito pequena de que poderíamos estar lidando com um cenário de impacto real para este objeto, continuaremos atentos e prontos para tomar medidas se as observações adicionais indicarem que ele está garantido," disse Johnson.

Vários anos atrás, um outro asteroide, chamado Apophis, foi considerado uma ameaça, com uma possibilidade de impacto semelhante prevista para 2036.

Observações adicionais, feitas entre 2005 e 2008, cientistas da NASA refinaram seus cálculos da trajetória do asteroide, mostrando uma probabilidade significativamente reduzida de um impacto com a Terra.

Embora os cientistas esperem que o mesmo ocorra com o 2011 AG5, eles reconhecem a pequena chance de que as probabilidades calculadas aumentem com os resultados das observações a serem feitas entre 2013 e 2016.

De acordo com os especialistas que participaram do evento, mesmo se essas chances aumentarem, haverá tempo suficiente para planejar missões para mudar o curso do asteroide.

Fonte: Inovação Tecnológica
Compartilhar:

sexta-feira, 15 de junho de 2012

Fotos do Facebook refletem diferenças culturais inconscientes


A estudante norte-americana está claramente conversando com outras pessoas, mas ela seleciona apenas seu rosto para colocar em seu perfil no Facebook. Enquanto isso, não é possível nem mesmo reconhecer o estudante oriental, totalmente imerso na paisagem. [Imagem: Denise Park/ UTDallas]
Minha face no Facebook
Para milhões de usuários do Facebook, selecionar qual foto colocar em seu perfil é uma decisão muito importante.
E muito reveladora, afirmam cientistas da Universidade do Texas (EUA).
Segundo eles a escolha da foto reflete, de forma mais óbvia, preferências individuais não muito difíceis de deduzir.
Contudo, a foto também reflete valores profundamente arraigados, na verdade, diferenças culturais inconscientes.
O indivíduo e o todo
Estudos já demonstraram exaustivamente como a cultura afeta a forma como vemos o mundo e processamos as informações.
Por exemplo, as culturas ocidentais condicionam as pessoas a pensarem sobre si mesmas como entidades altamente independentes, focando no indivíduo, enquanto as culturas orientais ressaltam o coletivismo e a interdependência.
Isto resulta em que, em experimentos nos quais as pessoas observam quadros com paisagens, os ocidentais tendem a focar mais nos objetos centrais ou em rostos do que no ambiente em geral. Os asiáticos, por outro lado, tendem a focar no contexto e na paisagem global de uma cena.
A Dra. Denise Park e seus colegas decidiram colocar essas teorias à prova analisando fotos de usuários do Facebook dos EUA e da Ásia.
De fato, os perfis dos norte-americanos têm preferencialmente fotos com o rosto da pessoa, enquanto as fotos que ilustram o perfil dos asiáticos incluem um cenário de fundo, geralmente uma paisagem agradável.
Os ocidentais também apresentam sorrisos muito mais intensos do que os orientais.
Influências culturais
Os resultados confirmam as diferenças marcantes no foco de atenção entre ocidentais e orientais.
Segundo os pesquisadores, isto realça conclusões anteriores de que, ao olhar para uma cena, orientais e ocidentais percebem coisas diferentes, uns se concentrando no detalhe - a individualidade - e outros se concentrado no todo - a cena.
E o estudo também revelou os efeitos das influências culturais: tanto orientais que estudavam nos EUA, quanto norte-americanos estudando em Taiwan, mostraram uma tendência para ajustar seus perfis, inserindo fotos mais de acordo com as preferências culturais do país de destino.
Fonte: Diário da Saúde
Compartilhar:

quinta-feira, 14 de junho de 2012

ENEM: Ainda dá tempo de se Inscrever


Os estudantes do Ensino Médio têm até amanhã, sexta-feira (15), para fazer a inscrição no Exame Nacional de Ensino Médio, o Enem.  Um total de 243.527 inscrições foram registradas para o exame, no Ceará, até 17 horas de ontem,  terça-feira (12) .

De acordo com levantamento divulgado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), os três estados que registram maior procura são, respectivamente, São Paulo (659.441), Minas Gerais (425.033) e Rio de Janeiro (315.292), o Ceará vem em quinto lugar.

O exame, que avalia os conhecimentos dos alunos, é utilizado pelas universidades públicas e por algumas particulares como parte do processo seletivo. As provas acontecem nos dias 3 e 4 de novembro de 2012 e as inscrições podem ser feitas pela internet no site: http://www.inep.gov.br/.

O resultado individual dos candidatos será divulgado em 28 de dezembro.

Mais informações:
Compartilhar:

quarta-feira, 13 de junho de 2012

Neutrinos não superaram a velocidade da luz

Usando um outro experimento, o Minerva, cientistas demonstraram recentemente que os neutrinos podem transmitir mensagens através da Terra.[Imagem: Fermilab]
Limite de velocidade cósmica
O CERN, Centro Europeu de Pesquisas Nucleares, que controla o LHC, deu seu veredito final sobre o famoso experimento dos neutrinos superluminais.
Segundo o diretor de pesquisas do laboratório, Sergio Bertolucci, os quatro detectores existentes no laboratório Gran Sasso, na Itália, mediram novamente a velocidade dos neutrinos, e "todos apresentaram resultados consistentes com a velocidade da luz" - ou seja, os neutrinos viajaram abaixo da velocidade da luz.
O laboratório Gran Sasso fica a 730 km de distância do LHC. Do LHC são disparados feixes de neutrinos, que são coletados por quatro experimentos no Gran Sasso: Borexino, Icarus, LVD e Opera.
Foi o experimento Opera que fez as medições que indicavam que os neutrinos poderiam ter viajado a uma velocidade maior do que a velocidade da luz.
Como estranharam os resultados, os cientistas responsáveis pelo Opera pediram que a comunidade científica ajudasse a encontrar explicações para o fenômeno, que contraria as teorias de Einstein.
Método científico em ação
Em março, o detector Icaro refez o experimento, mas todos os neutrinos chegaram no tempo esperado, ou seja, respeitando a velocidade da luz.
Foi então que o CERN anunciou que faria medições sistemáticas com todos os quatro experimentos, a fim de dar uma avaliação final sobre a matéria.
Esses resultados foram divulgados hoje em Tóquio, durante a Conferência Internacional sobre Física e Astrofísica de Neutrinos.
"Embora este resultado não seja tão excitante quanto alguns esperavam, ele é o que nós, no fundo, esperávamos," disse Bertolucci.
"A história capturou a imaginação do público, e deu às pessoas a oportunidade para ver o método científico em ação - um resultado inesperado foi aberto para um exame detalhado, foi investigado a fundo e resolvido, em parte, graças à colaboração entre experimentos que normalmente competem entre si. É assim que a ciência avança," concluiu.
Na mesma conferência, a equipe do Opera anunciou indícios da existência de um segundo neutrino do tau, mais uma peça no quebra-cabeça que são as oscilações dos neutrinos, que parecem ter uma preferência espacial em mudar de um tipo para outro.
Fonte: Inovação Tecnológica
Compartilhar:
←  Anterior Proxima  → Página inicial

Visitantes no Globo

On line

Total de visualizações

Arquivo do blog

Mais visualizadas do mês

Seguidores