>
Olá, seja muito bem-vindo a esse ambiente! Espero que ele possa atender suas expectativas!

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Homens se esquecem mais do que as mulheres

Imagem do Google
Se o seu marido é distraído, se esquece do aniversário de casamento ou o nome dos amigos dos seus filhos, não se preocupe, você não é a única com um homem esquecido em casa.
Até mesmo os pesquisadores ficaram surpresos com o quanto os homens esquecem.
"Foi surpreendente ver o quanto os homens se esquecem mais do que as mulheres. Isto nunca foi documentado antes. Foi surpreendente ver também que os homens são tão esquecidos tenham eles 30 ou 60 anos de idade. Os resultados são inequívocos," disse o professor Jostein Holmen, da Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia.
Holmen e seus colegas avaliaram a memória de pessoas que fizeram parte de um dos maiores estudos de saúde já realizados, com respostas de mais de 48.000 pessoas.
As mulheres têm os mesmos tipos de problemas de memória que os homens, mas em menor extensão - nomes e datas são mais difíceis de lembrar também para as mulheres.
Outra surpresa é que os problemas de memória até aceleram com a idade, mas muito menos do que se calculava antes - o esquecimento das mulheres, por exemplo, é o mesmo aos 30 e aos 50 anos de idade.
Os problemas de memória começam a acelerar de forma global no grupo de 60 a 70 anos de idade.
O estudo mostra também que as pessoas com maior nível educacional se esquecem menos do que aquelas com menos anos de escola. Pessoas que sofrem de ansiedade ou depressão se esquecem mais do que a média, o que é verdade para ambos os sexos.
Ainda não há explicações sobre a diferença de memória entre homens e mulheres.
"Temos especulado muito sobre por que os homens relatam problemas de memória mais frequentemente do que as mulheres, mas não fomos capazes de encontrar uma explicação. Este ainda é um mistério sem solução," concluiu Holmen.
Fonte: Diário da Saúde
Compartilhar:

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Buracos negros não existem, diz Stephen Hawking

Pela teoria atual, todos os buracos negros seriam iguais - mas alguns físicos defendem que buracos negros têm "cabelos".[Imagem: Alain Riazuelo/NASA]
Físico dos buracos negros
Stephen Hawking tem hoje a fama de cientista vivo mais famoso do mundo graças às suas teorias sobre buracos devoradores de matéria e luz.
Apesar disso, ele tem mudado de ideia sobre os buracos negros vez ou outra nestes últimos 40 anos.
Desta vez, porém, sua mudança parece mais radical: segundo ele, em certo sentido, buracos negros não existem.
Ele não é o primeiro a dizer isso: em 2007, outra equipe já havia defendido que buracos negros podem não existir.
Mas o que exatamente é um buraco negro?
Segundo a teoria mais aceita, seriam regiões do espaço-tempo - o tecido que compõe o universo - tão densas que sua gravidade descomunal gera um horizonte de eventos, uma fronteira da qual nada, nem mesmo a luz, pode escapar.
É claro que existem muitas outras teorias, dizendo que buracos negros não são buracos, mas bolhas, que eles não são realmente negros e que podem nem mesmo ser buracos, que podem ser portais para outros universos e até mesmo que buracos negros mudam de marcha.
Paradoxo da Informação
Mas, para entender tudo, é necessário voltar a 1974, quando Stephen Hawking colocou em cena a mecânica quântica, provocando um desentendimento entre os físicos que dura até hoje.
A mecânica quântica não se dá bem com a outra grande teoria da física, a relatividade geral, tornando difícil explicar situações em que ambas são relevantes - como é o caso dos buracos negros.
Ao aplicar a teoria quântica aos buracos negros, Hawking defendeu que eles não são realmente negros - eles devem emitir pequenas quantidades de radiação, levando-os a diminuir e, eventualmente, até a morrer, desaparecer.
Mas a física quântica afirma que as informações sobre a matéria - aquela que teria formado ou caído no buraco negro - nunca são destruídas, mesmo quando ela cai em um buraco negro.
É o chamado "paradoxo da informação", que outros físicos tentaram resolver permitindo que a informação também escape do buraco negro conforme ele vai se evaporando, emitindo a agora chamada radiação de Hawking - Hawking só concordou com a fuga da informação em 2004.
Paradoxo do firewall
Entrou então na história um grupo liderado por Joseph Polchinski, da Universidade da Califórnia de Santa Barbara, nos Estados Unidos.
Eles colocaram no circuito um novo paradoxo, o paradoxo firewall (parede de fogo).
Se informações podem escapar do buraco negro, conforme permite a física quântica, então isso pode produzir quantidades maciças de energia, criando uma parede de fogo no horizonte de eventos que vai consumir imediatamente qualquer coisa que cair dentro do buraco negro e cruzar essa parede de fogo.
O problema é que isso quebra uma regra da relatividade geral, que diz que atravessar o horizonte de eventos de um buraco negro deve ser monótono, quase imperceptível - daí o paradoxo.
De novo, temos a relatividade geral contra a mecânica quântica, em um paradoxo que aponta que uma das duas teorias está errada.
Buracos negros não existem
Agora, Hawking entra novamente no páreo, e diz que a solução para o paradoxo da parede de fogo consiste em abrir mão daquilo que parece ser a marca registrada dos buracos negros - o horizonte de eventos.
Não ter um horizonte de eventos significa que seria possível escapar de um buraco negro, ainda que, para isso, eventualmente seja necessário viajar à velocidade da luz.
Na verdade significa mais, significa que, em certo sentido, os buracos negros perdem sua característica mais singular, se descaracterizam.
"A ausência de um horizonte de eventos significa que não existem buracos negros - no sentido de regimes nos quais a luz não pode escapar para o infinito," escreve Hawking em seu curto artigo de duas páginas, apenas com argumentos, sem qualquer matemática.
Ele sugere que os buracos negros passem a ter "horizontes aparentes", superfícies que podem aprisionar a luz, mas que variam em forma devido às flutuações quânticas, abrindo a possibilidade de que a luz escape.
A ideia de um horizonte aparente não é completamente nova, e já havia sido aventada pelo próprio Hawking, em conjunto com Roger Penrose, da Universidade de Oxford.
Ainda não está claro se os dois horizontes - de eventos e aparente - são realmente diferentes.
Pela relatividade geral, os dois horizontes são realmente idênticos. Mas, usando a mecânica quântica, Hawking agora propõe que eles são diferentes.
Será que entramos agora na era do paradoxo dos horizontes? Ou será que alguma ideia nova ainda pode escapar desse embate?
Fonte: Inovação Tecnológica
Compartilhar:

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Primeiro cometa 100% brasileiro é descoberto por Astrônomos mineiros

O C/214 A4 SONEAR é o primeiro cometa descoberto por astrônomos brasileiros operando um observatório em território nacional.[Imagem: Observatório Sonear]
Bastaram alguns poucos dias de operação para que um telescópio brasileiro, projetado e construído por brasileiros, em um observatório também construído por eles, com recursos próprios, identificasse um cometa até agora desconhecido.
É o primeiro cometa genuinamente tupiniquim.
O feito é mérito total de Cristóvão Jacques, Eduardo Pimentel e João Ribeiro de Barros, astrônomos que fazem o trabalho por amor à astronomia, sem receber nada em troca - por isso eles são chamados "amadores".
Os três astrônomos construíram seu próprio observatório, o SONEAR (Southern Observatory for Near Earth Research), nas montanhas de Oliveira, a 120 km de Belo Horizonte (MG).
O telescópio, com uma abertura de 450 milímetros, é automatizado e controlado remotamente pela internet.
Toda a estrutura e a operação do telescópio é bancada com recursos próprios dos três pesquisadores.
O telescópio de rastreio do Sonear é atualmente o único no hemisfério sul a procurar por objetos próximos à Terra, eventualmente com risco de colisão. [Imagem: Telescópio Sonear/Divulgação]
Cometa brasileiro
A descoberta do primeiro cometa genuinamente brasileiro ocorreu no dia 13 de janeiro, sendo batizado oficialmente de C/214 A4 SONEAR pela União Astronômica Internacional.
O cometa, com cerca de 20 km de diâmetro, tem uma órbita parabólica e não está em rota de colisão com a Terra.
Seu ponto de maior aproximação da Terra deverá ser alcançado em 2015, a uma distância de cerca de 450 milhões de km.
Os três astrônomos afirmam esperar que muitas outras descobertas ocorram com a ajuda do SONEAR nos próximos anos.
Fonte: Inovação Tecnológica
Compartilhar:

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Sabor virtual pela internet: envie mensagens de sabor

Um dos primeiros alvos da nova tecnologia será um simulador de sabores que funcionará como um "sistema de recompensa baseado em sensações" para ser incluído em videogames. [Imagem: NUS]
Simulador de sabores
Já imaginou procurar receitas pela internet e poder experimentar os sabores antes de escolher aquela que você irá fazer?
Isso pode acontecer mais cedo do que se espera, segundo engenheiros da Universidade Nacional de Cingapura.
Nimesha Ranasinghe e seus colegas já construíram um protótipo para demonstrar a viabilidade do "saboreador online".
O simulador de sabores promete recriar o sabor de alimentos e bebidas virtualmente, por meio da estimulação elétrica e térmica da língua.
A ideia consiste em gerar sinais elétricos de baixa intensidade, que são transmitidos através de um eletrodo de prata para a ponta da língua.
O protótipo consegue induzir sensações primárias de salgado, doce, azedo e amargo.
Por meio da combinação de diferentes intensidades da corrente elétrica, e variando a temperatura do eletrodo, é possível fazer uma simulação bastante realística dos "sabores compostos" de comidas e bebidas reais.
Os voluntários relataram sensações de azedo, salgado e amargo a partir da estimulação elétrica, e sensações de mentolado, picante e doce através da estimulação térmica.
O aparato, contudo, requer melhoramentos, já que nem todos os voluntários relataram as mesmas sensações a partir dos mesmos estímulos.
Sabores pela internet
Os pesquisadores parecem confiantes nos melhoramentos do seu simulador de sabores, já tendo desenvolvido até mesmo um protocolo de transmissão de sensações gustativas pela internet.
O protocolo descreve um formato de dados que facilita a transmissão de informações que permitem recriar os diferentes gostos, para permitir a troca de "mensagens de sabor".
O professor Ranasinghe afirma que um dos primeiros alvos da nova tecnologia será um simulador de sabores que funcionará como um "sistema de recompensa baseado em sensações" para ser incluído em videogames.
Se um jogador completar uma tarefa ou passar de nível, uma dose doce ou mentolada servirá de recompensa. Se ele falhar, terá literalmente um gosto amargo na boca.
O simulador poderá ainda ter aplicações na área de saúde.
Por exemplo, pessoas com diabetes poderão usar o dispositivo para saborear doces virtuais, sentindo o sabor sem afetar seus níveis de açúcar no sangue.
Pacientes com câncer, por sua vez, poderiam compensar a perda de paladar que normalmente acompanha os tratamentos de quimioterapia.
As intenções são muito boas, mas os quatro gostos principais formam apenas uma parte da equação do sabor. Cheiro e textura também desempenham um papel fundamental, que os pesquisadores ainda precisarão incorporar em sua tecnologia.
Fonte: Inovação Tecnológica
Compartilhar:

Alunos da Escola Profissionalizante abrem o ano letivo na Escola Santa Tereza

Alunos desenvolvendo a Oficina dos Sonhos
Imagem: Escola Santa Tereza
Nos primeiros dias de aula, a escola estadual Santa Tereza, recebe um grupo de alunos da Escola Profissionalizante Virgílio Távora da cidade do Crato, orientados pelo professor coordenador Pedro para a realização de atividades dinâmicas para os alunos locais, intitulada de Oficina dos Sonhos. Ideia proveniente da CREDE 18.

As oficinas que serão realizadas hoje, 27 nos três turnos, e amanhã, dia 28, manhã e tarde, giram em torno do protagonismo juvenil e da ideia de conceber e realizar sonhos, através de uma autopercepção dos educandos em face da projeção e realização de seus ideais de futuro.

A diretora Meirenildes Alencar afirma ficar muito felizes em iniciarmos o ano letivo de 2014, com esse trabalho motivador para nossos jovens. "Visto que, a reflexão acerca de seus sonhos e a possibilidade de uma postura proativa assumida por eles, é base para o desenvolvimento de suas habilidades no decorrer dos seus períodos escolares, como cidadãos e como agentes transformadores no mundo do trabalho. Assim, desejamos a toda comunidade escolar um excelente ano letivo-2014 um carinhoso abraço a todos!"

Com informações: Blog da Escola Santa Tereza
Compartilhar:

domingo, 26 de janeiro de 2014

Altaneira recebe Blogueiros do Cariri para Encontro

Arte: Raimundo Soares Filho
Logo mais 09h. será aberto o I Encontro de Blogueiros do Cariri, um evento organizado pela Rede de Blogs de Altaneira e conta com apoio do Governo Municipal de Altaneira, através das Secretarias de Administração e Finanças, Educação e Cultura, Esportes e Turismo. 


O evento que acontecerá na Escola Municipal 18 de dezembro tem por objetivo a troca de experiências entre os blogueiros da região, bem como discutir temas relacionados as mídias sociais.  O credenciamento dos participantes terá início às 08h.

Foi programado para o Encontro quatro painéis com temas diversos. As palavras de boas vindas ficarão ao encargo da estudante jornalismo Alana Maria Soares.

O primeiro Painel será sobre “A Regulamentação do Marco Civil da Internet” que será ministrado pelo vereador Amadeu de Freitas do PT do Crato. O segundo Painel sobre “A Força da Blogosfera no momento político atual” ficará sob a responsabilidade do Comunicador Beto Fernandes de Juazeiro do Norte.

No terceiro Painel o professor Augusto Monteiro repassará algumas dicas aos participantes de “Como evitar os vícios de linguagem na rede” tema muito relevante e necessário. Encerrando o ciclo de Painéis o Dr. José Maria Gomes Pereira explanará sobre “Os crimes na Blogosfera”.

Ao final de cada Painel haverá debate livre com os participantes, abrindo espaço para que todos blogueiros, debatam e proponham sugestões está marcado.

A divulgação do Encontro se deu exclusivamente nas redes sociais e até o fechamento desta postagem 43 blogueiros de 18 municípios do Cariri estavam inscritos. Inscreva-se gratuitamente clicando na imagem da barra lateral acima.

Publicado originalmente no Blog de Altaneira
Compartilhar:

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Astronautas estudam água que provoca fogo

A água supercrítica não é nem sólida, nem líquida e nem gasosa - é algo melhor descrito como um "gás tipo líquido". [Imagem: NASA]
Água supercrítica
Apagar fogo com água parece bem trivial.
Já um tipo de água que faz o contrário, iniciando uma combustão, é bem menos comum.
Mas é justamente com essa água, que ajuda a fazer fogo, que os astronautas da Estação Espacial Internacional estão trabalhando.
"Nós a chamamos de 'água supercrítica'," explica Mike Hicks, do Centro de Pesquisa Glenn, da NASA. "E ela tem algumas propriedades interessantes."
A água se torna supercrítica quando é comprimida a uma pressão de 217 atmosferas e aquecida acima de 373º C.
Acima desse ponto crítico, as moléculas de H2O se transformam em algo que não é nem sólido, nem líquido e nem gás. É algo melhor descrito como um "gás tipo líquido".
Nesse estado, a água pode se tornar extremamente corrosiva, a ponto de escavar sulcos em diamantes.
Bem domada, contudo, ela pode fazer trabalhos muito úteis.
Combustão sem chamas
"Quando a água supercrítica é misturada com matéria orgânica, ocorre uma reação química, a oxidação," continua Hicks. "É uma forma de queimar sem chamas."
Imagem: NASA
Isso pode ser muito útil quando você quer se livrar de certos materiais desagradáveis - como lixo ou esgoto.
Cidades, empresas agrícolas, navios no mar e naves espaciais tripuladas acumulam resíduos desse tipo, podendo se beneficiar dessa tecnologia para se livrar dos restos indesejáveis sem gerar mais poluentes.
Para isso, basta aplicar um jato de água supercrítica sobre o material. As ligações dos hidrocarbonos começam a se quebrar, reagindo com o oxigênio do ar e, simplesmente, "queimam-se sem pegar fogo" - às vezes os pontos mais quentes podem gerar chamas, mas geralmente não o fazem.
"Esta é uma forma relativamente limpa de queima que produz água pura e dióxido de carbono, mas nenhum dos produtos tóxicos da incineração comum," complementa Hicks.
Problema do sal
A Estação Espacial Internacional não apenas pode se beneficiar dessa tecnologia de tratamento de resíduos, como também é o laboratório ideal para estudar a água supercrítica e domá-la.
Um dos problemas com o uso tecnológico da água supercrítica tem a ver com o sal. Acima do ponto crítico, os sais dissolvidos na água precipitam rapidamente. Se isso acontece em um reator, os componentes metálicos da estrutura ficam revestidos com o sal e começam a corroer.
"Para qualquer sistema de tratamento de resíduos realístico, temos que aprender a lidar com sal. É um grande obstáculo tecnológico," disse Hicks.
Lidar com o sal é justamente o objetivo do experimento "Mistura de Água Supercrítica", agora sendo conduzido na Estação Espacial, em um esforço conjunto entre a NASA e a CNES, a agência espacial francesa.
O experimento, que usa um equipamento francês (DECLIC) montado no laboratório japonês Kibo, continuará durante um ano inteiro, em uma série de seis rodadas de teste, cada uma com duração de aproximadamente 15 dias.
A expectativa é que o experimento se transforme em uma nova tecnologia de tratamento de esgotos mais eficiente e mais limpa.
Fonte: Inovação Tecnológica
Compartilhar:

quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Sete pecados capitais na sua relação com os e-mails

São sete hábitos que podem ser positivos se usados com moderação, mas que são susceptíveis de ter um impacto negativo se não forem abordados corretamente.[Imagem: Kingston University]
Você fica obcecado em checar seu emails no trabalho ou em casa?
Se você não consegue deixar de olhar sua caixa postal constantemente, e até interrompe outras tarefas para fazer isso, cuidado - sua saúde mental pode estar em risco.
O alerta é da Dra. Emma Russell, da Universidade Kingston, em Londres.
Alertas fantasmas
Embora responder prontamente as mensagens possa ser um sinal de um trabalhador dedicado, também pode significar que você terá dificuldades em se concentrar no trabalho ou "desligar" no fim do dia.
"Alguns trabalhadores se tornaram tão obcecados com e-mails que relataram até mesmo os chamados 'alertas fantasmas', quando acham que seu telefone está vibrando ou tocou a mensagem de e-mail recebido, quando na verdade isso não aconteceu. Outros relatam acreditar que devem segurar fisicamente seus smartphones quando não estão em suas mesas para estarem em contato permanente," esclarece a Dra Russel.
A Dra Russell analisou usuários de e-mail em diferentes empresas para ver quais hábitos positivos e negativos teriam influências em sua vida profissional.
Ela identificou sete hábitos que podem ser positivos se usados com moderação, mas que são susceptíveis de ter um impacto negativo se não forem abordados corretamente.
Sete hábitos/pecados capitais do e-mail:
  • Pingue-pongue - e-mails que vão indo e vindo, crescendo com pequenos comentários do remetente e do destinatário
  • Enviar e-mails a toda hora
  • Enviar e-mails pessoais na empresa
  • Ignorar completamente os e-mails
  • Solicitar confirmações de leitura
  • Responder imediatamente a um alerta de e-mail
  • Usar respostas automatizadas
Segundo a pesquisadora, mesmo as pessoas que acreditam estar usando estratégias para lidar com o e-mail no trabalho se esquecem que esses comportamentos podem ser prejudiciais fora do trabalho - e que as mesmas táticas não valem para pessoas que não trabalham.
"No início da era da conexões discadas, quando ficar online implicava em custos, a maioria das pessoas verificava os e-mails uma vez por dia e os respondia imediatamente," analisa ela.
"Agora, com banda larga e 3G, um número ilimitado de mensagens pode ser transmitido para você via smartphone, em qualquer momento do dia ou da noite. No entanto, muitos de nós não adaptamos nosso comportamento para esse fluxo constante de e-mails," argumenta.
Fonte: Diário da Saúde
Compartilhar:

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Rachaduras no gelo do Ártico atraem mercúrio da atmosfera

O local do Ártico foi visitado duas vezes por dia para
coleta de dados (Foto: Alexandra Steffen/Divulgação)

A existência de rachaduras no gelo do Ártico está levando a uma concentração maior de mercúrio na atmosfera próxima ao solo. O fenômeno - provocado pelo movimento peculiar que o ar realiza sobre essas rachaduras - pode trazer problemas para o homem. Isso porque há risco de o poluente afetar os peixes, entrando dessa forma na cadeia alimentar da qual o homem faz parte.
O achado, feito por pesquisadores do Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa e do Instituto de Pesquisa sobre o Deserto, foi publicado na edição da revista "Nature" desta semana. As medições de mercúrio foram feitas na costa da cidade de Barrow, no estado do Alasca, nos Estados Unidos.
Lá, o gelo da superfície do mar quebrou, criando rachaduras por onde corre água do oceano, como em canais. Segundo um dos autores do estudo, o pesquisador Chris Moore, do Instituto de Pesquisa sobre o Deserto, a água nesses canais é muito mais morna do que o ar sobre ela. Por causa da diferença de temperatura, o ar sobre os canais se agita violentamente.
O resultado é que o mercúrio que fica em uma camada mais alta da atmosfera é puxado para perto da superfície. A forte agitação do ar atinge uma altura de cerca de 400 metros, segundo a estimativa dos cientistas. O fenômeno é caracterizado por nuvens densas que saem desses canais abertos no gelo. Segundo os cientistas, quando o mercúrio está próximo ao nível do solo, ele passa por reações químicas que fazem com que ele seja depositado na superfície.
"Nenhum de nós suspeitávamos que poderíamos descobrir esse tipo de processo associado a essas fendas", disse Son Nghiem, um dos autores da pesquisa e cientista do Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa.
A existência de rachaduras no gelo ártico tem se tornado mais frequente devido às mudanças climáticas."Na última década, temos visto mais gelo novo em detrimento do gelo perene que tem sobrevivido por muitos anos. O gelo novo é mais fino, mais salgado e quebra mais facilmente", diz Nghiem.
Fonte: G1/Ciência e Saúde

Compartilhar:

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Tomar sol diminui pressão arterial e reduz risco cardíaco

"Pode ser um momento oportuno para reavaliar os riscos e os benefícios da luz solar para a saúde humana e reconsiderar as atuais recomendações de saúde pública." [Imagem: University of Southampton]
Há algum tempo, médicos e cientistas vêm alertando para o que parece ser uma radicalização na propaganda e no uso dos filtros solares.
Esse exagero no uso de filtros solares está causando deficiência de vitamina D na população, um problema que parece ser particularmente grave entre os jovens brasileiros.
Já se sabia que a vitamina D protege contra câncer, diabetes e artrite, além de ativar o sistema imunológico.
Agora se comprovou que a exposição da pele à luz solar, mesmo quando não atua diretamente na sintetização da vitamina D, ajuda a reduzir a pressão arterial e o risco de ataque cardíaco e acidente vascular cerebral.
Sol, óxido nítrico e coração
Pesquisadores das universidades de Southampton e Edimburgo (Reino Unido) descobriram que a luz solar altera os níveis de uma pequena molécula mensageira, o óxido nítrico (NO), na pele e no sangue, reduzindo a pressão arterial.
É bem documentado que a pressão arterial e as doenças cardiovasculares variam de acordo com a época do ano e a latitude, com níveis mais elevados observados no inverno e em países mais distantes do equador, onde a radiação ultravioleta do sol é menor.
"O óxido nítrico, junto com os produtos dele derivados, que são abundantes na pele, está envolvido na regulação da pressão arterial. Quando expostas à luz solar, pequenas quantidades de óxido nítrico são transferidas da pele para a circulação, diminuindo o tônus dos vasos sanguíneos. Assim a pressão arterial cai, o mesmo acontecendo com o risco de ataque cardíaco e derrame," afirmam os doutores Martin Feelisch e Richard Weller no estudo publicado no Journal of Investigative Dermatology.
Embora evitar o exagero da exposição ao sol seja importante para prevenir o câncer de pele - o que é válido sobretudo para pessoas de pele muito clara e com histórico de câncer de pele na família -, os autores deste estudo sugerem que minimizar a exposição à luz do sol também pode ser algo negativo, aumentando o risco de condições relacionadas com as doenças cardiovasculares.
As doenças cardiovasculares, frequentemente associadas com a hipertensão arterial, são responsáveis por 30% das mortes em todo o mundo.
Raios UVA
Propagandas de filtros solares à parte, as conclusões do estudo científico mostram que a exposição aos raios ultravioleta A (UVA) dilata os vasos sanguíneos, reduz significativamente a pressão arterial e altera os níveis de óxido nítrico na circulação sanguínea, sem alterar os níveis de vitamina D.
Os experimentos indicaram que estoques de óxido nítrico nas camadas superiores da pele estão envolvidos na mediação de todos esses efeitos.
"Estes resultados são significativos para a discussão acerca dos potenciais benefícios à saúde da luz do sol e do papel da vitamina D neste processo. Pode ser um momento oportuno para reavaliar os riscos e os benefícios da luz solar para a saúde humana e reconsiderar as atuais recomendações de saúde pública," disse o professor Feelisch.
"Evitar o excesso de exposição à luz solar é fundamental para prevenir o câncer de pele, mas não ser exposto a ele de forma nenhuma, por medo ou como resultado de um certo estilo de vida, pode aumentar o risco de doença cardiovascular. E, com exceção da saúde óssea, os efeitos da suplementação oral de vitamina D têm sido decepcionantes," conclui ele.
Fonte: Diário da Saúde
Compartilhar:

Comediantes psicóticos ou ciência esquizofrênica?

Os cientistas são engraçados... ou meio loucos. Mesmo quando tentam dizer que isso acontece com os outros.[Imagem: Wikipedia]
Os cientistas são engraçados: primeiro eles estabelecem uma curva normal - uma curva estatística em forma de sino - e dizem que todos os que estão na parte central da curva são "normais".
Depois eles cortam as extremidades da curva - as bordas do sino - e dizem que quem está nesses pontos é "anormal".
E depois usam isso para classificar pessoais que fogem aos padrões do trivial, do "cidadão comum".
Qualquer pessoa dotada de bom senso diria rapidamente que pessoas muito criativas, os "gênios", não poderiam ser classificadas com as mesmas regras das "pessoas comuns".
O problema é que os cientistas pegam essas pessoas muito criativas e dizem que, como elas não estão no centro "normal" da sua curva, então elas têm traços "anormais" - ou psicóticos.
E criam assim o estereótipo dos "gênios loucos", propondo que pessoas que são muito criativas ou geniais têm aspectos de loucura embutidas. Eventualmente isso ajuda a descartar muitas das ideias incômodas desses gênios ou, pelo menos, limitá-las.
É o que parece estar acontecendo agora com um estudo envolvendo comediantes.
Loucuras
Segundo Gordon Claridge e seus colegas da Universidade de Oxford, comediantes têm traços de personalidade ligados à psicose, assim como parece acontecer com outras pessoas criativas.
Os comediantes tiveram elevada pontuação na medição de características que, em casos extremos - como sempre, aqueles que estão nas extremidades da curva normal - são associadas a doenças mentais.
"Os elementos criativos necessários para produzir humor são incrivelmente similares aos que caracterizam o estilo cognitivo de pessoas com psicose - a esquizofrenia e a bipolaridade,", disse o Dr. Claridge.
Ainda que a psicose esquizofrênica em si prejudique o senso de humor, em uma forma mais branda ela pode aumentar a habilidade da pessoa em associar coisas estranhas ou "pensar fora da caixa", prossegue Claridge.
E traços similares à bipolaridade podem ajudar as pessoas a combinar ideias para formar conexões novas e engraçadas - algo como, se você pensa normalmente, dificilmente conseguirá ser engraçado.
"Comediantes tendem a ser levemente introvertidos, nem sempre querem socializar, e sua comédia é quase uma válvula de escape para isso", propõe Claridge.
Mas isso é o bastante para dizer que comediantes têm traços psicóticos? Ou poderia uma conclusão destas ser classificada como piada ou, quem sabe, como uma loucura branda? Afinal, será que os cientistas também não podem ser classificados "fora da curva"?
"Doenças mentais como esquizofrenia podem afetar qualquer pessoa, seja ela criativa ou não. Nosso entendimento sobre doenças mentais ainda é deficiente, e precisamos de mais pesquisas nessa área," disse Paul Jenkins, presidente da entidade Repensar as Doenças Mentais, que busca ajudar pessoas com esquizofrenia, bipolaridade e outros traços psicóticos a terem melhor qualidade de vida.
Fonte: Diário da Saúde
Compartilhar:

Universo é medido com 1% de precisão

Como régua padrão para medir distâncias intergalácticas, a equipe usou um fenômeno chamado BAO, sigla em inglês para oscilações acústicas bariônicas. [Imagem: Z.Rostomian/LLNL]
Oscilações acústicas bariônicas
Astrônomos conseguiram medir as distâncias entre as galáxias no universo com uma precisão de 1%.
Este levantamento incrivelmente preciso - feito ao longo de seis bilhões de anos-luz - é a chave para mapear o cosmos e determinar a natureza da energia escura.
O novo padrão ouro de distâncias cósmicas foi definido pela colaboração BOSS (Baryon Oscillation Spectroscopic Survey).
"Vinte anos atrás, os astrônomos estavam discutindo sobre estimativas que diferiam em até 50%. Cinco anos atrás, nós tínhamos refinado aquela incerteza para 5%; Um ano atrás era de 2%. Agora, 1% de precisão será o padrão por um longo tempo," estima o professor David Schlegel, do Laboratório Nacional Lawrence Berkeley.
Como régua padrão para medir distâncias intergalácticas, a equipe usou um fenômeno chamado BAO, sigla em inglês para oscilações acústicas bariônicas.
BAOs são os registros "congelados" das ondas de pressão que se moviam através do universo primordial, que ajudaram a definir a distribuição das galáxias que vemos hoje.
"A natureza nos deu uma régua maravilhosa," disse Ashley Ross, membro da equipe. "Essa régua tem meio bilhão de anos-luz de comprimento, então podemos usá-la para medir distâncias com precisão, mesmo de muito longe."
Universo plano
Determinar distâncias é um desafio fundamental em astronomia: "Uma vez que você sabe o quão longe algo está, aprender tudo sobre ele fica repentinamente muito mais fácil," complementa Daniel Eisenstein.
As novas medições de distâncias cósmicas vão ajudar a calibrar as propriedades cosmológicas fundamentais - por exemplo, como a energia escura acelera a expansão do universo.
Outra decorrência direta das medições é uma nova estimativa mais precisa da curvatura do espaço.
"A resposta é: ele não é muito curvo. O universo é extremamente plano," disse o Prof. Schlegel.
"Embora não possamos dizer com certeza, é provável que o universo se estende para sempre no espaço e vai durar para sempre no tempo. Nossos resultados são consistentes com um universo infinito," concluiu Schlegel.
Fonte: Inovação Tecnológica
Compartilhar:

sábado, 18 de janeiro de 2014

Sua cultura determina aquilo de que você se lembra

Suas memórias ficam guardadas mesmo que você não se lembre delas[Imagem: Hansdoller]
Os detalhes de um evento de que você se lembra - como a sua última festa de aniversário - são determinados em parte pela sua formação cultural.
Os norte-americanos, por exemplo, tendem a se concentrar em detalhes visuais primários, como a cor das decorações da festa ou o tipo de cereja no topo do bolo.
Já os asiáticos se lembram melhor de detalhes interpessoais - quem serviu o bolo ou quem dançou na festa.
"Sua cultura influencia o que você percebe como sendo importante ao seu redor," resume Angela Gutchess, professora de psicologia na Universidade Brandeis (EUA). "Se a sua cultura valoriza as interações sociais, você vai se lembrar dessas interações melhor do que uma cultura que valoriza as percepções individuais. A cultura realmente molda a sua memória."
Para explorar a forma como os dois estão relacionados - cultura e memória -, Gutchess e sua equipe realizaram uma série de testes de memória em alunos dos Estados Unidos e dos países do Leste Asiático, incluindo China, Japão e Coreia.
Ambos os conjuntos de estudantes tiveram notas semelhantes nos testes de memória em geral, mas os estudantes norte-americanos se saíram melhor na recordação de objetos específicos.
"Estudos anteriores haviam mostrado que os leste-asiáticos são mais capazes de se lembrar de detalhes contextuais e de fundo, mas este estudo mostrou que nem sempre este é o caso," disse Gutchess. "Isso pode ser porque a memória dos asiáticos é mais focada no contexto emocional e em detalhes sociais do que em detalhes visuais."
Entender uns aos outros
De acordo com Gutchess, entender como a cultura afeta a memória pode melhorar as interações pessoais - das relações diplomáticas aos estilos de ensino em sala de aula.
A memorização, por exemplo, pode funcionar para algumas culturas, enquanto uma abordagem mais baseada no contexto da aprendizagem pode funcionar melhor para outras.
"Se pudermos entender como nos lembramos, nós podemos começar a realmente entender melhor uns aos outros," diz ela.
Fonte: Diário da Saúde
Compartilhar:

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Livros didáticos começam a migrar para versão digital

Imagem do Google
Em 2017, todos os livros das escolas públicas terão versão digital.
A maior vantagem é que os livros poderão ser lidos mais facilmente em tablets, computadores ou mesmo smartphones.
Além de facilitar as atualizações do conteúdo didático, com o livro digital os estudantes e professores poderão acessar conteúdos interativos, poderão clicar em uma imagem e assistir a um vídeo, e ter acesso a jogos educativos.
Os livros didáticos de papel, no entanto, não deverão ter sua oferta diminuída.
"A tecnologia deve entrar de forma gradual e deve entrar de forma complementar ao papel. O papel ainda é a mídia universal, usado por qualquer aluno em qualquer lugar do Brasil, independentemente de condições externas", disse Rafael Torino, diretor de Ações Educacionais do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).
Afinal, embora a disponibilidade de leitores eletrônicos já seja uma realidade em muitas escolas, em um universo de mais de 40 milhões de estudantes de escolas públicas de todas as regiões brasileiras, fatores como o acesso à internet, à tecnologia e mesmo à eletricidade devem ser levados em consideração.
Digitalização dos livros didáticos
As experiências com a digitalização começaram a ser feitas no ano passado, no ensino médio, com a distribuição de tablets aos professores da rede pública.
O FNDE comprou a versão PDF, uma forma proprietária de arquivo, de 230 títulos do Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) por R$ 20 milhões. Ainda não foram incluídos outros formatos, como o EPUB (Electronic Publication, ou Publicação Eletrônica), que é um formato de arquivo digital padrão, livre e aberto, específico para ebooks, ou livros eletrônicos.
Para 2014, a digitalização já foi incluída no edital: os livros que serão distribuídos este ano pelo programa trazem um elemento a mais, os chamados objetos educacionais digitais. São vídeos e jogos educativos disponibilizados em DVDs, que podem ser livremente copiados pelos estudantes. O material será disponibilizado também online.
O custo adicional da digitalização foi R$ 68 milhões - o total gasto com os livros chegou a R$ 570 milhões.
Esses livros serão entregues aos estudantes do 6º ao 9º ano. Para o próximo ano, cujo foco será o ensino médio, o edital pedia também opcionalmente o livro digital. Segundo Torino, 85% das propostas recebidas das editoras incluem o livro digital.
Escolas particulares adotam tablets
Já nas escolas privadas, voltadas a um público de poder aquisitivo mais alto, a tendência tem sido a substituição dos livros impressos pela leitura em tablets.
A estimativa da presidente da Federação Nacional das Escolas Particulares (Fenep), Amábile Pacios, é que 30% dessas escolas em todo o país adotam de alguma forma o tablet em sala de aula.
"É uma tendência abandonar o livro didático [de papel], já que o livro eletrônico tem vantagens sobre o impresso. Um tablet carrega todos os livros e cadernos e permite interatividade, atualização, o que não ocorre com a versão impressa", disse ela.
Mas há quem tenha restrições a esse modelo. O presidente da Associação de Pais e Alunos de Instituições de Ensino do Distrito Federal, Luis Cláudio Megiorin, diz que existem pais que têm demonstrado apreensão com a possibilidade de substituição total dos livros impressos e consideram que pode ficar mais difícil controlar quando o filho está realmente estudando no tablet e quando está usando para diversão.
Ele também contesta a questão do custo, afirmando que, além do preço do equipamento, os livros digitais estão custando o mesmo que os livros em papel.
"Não fica mais barato. O mesmo que se gasta no ensino médio em livro de papel, se gasta com o digital, não reduz. A diferença está indo para o lucro [das editoras]", disse ele.
Fonte: Inovação Tecnológica
Compartilhar:

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Filhos e sexo são importantes para felicidade no casamento?

Imagem do Google
Pesquisadores da Open University, no Reino Unido, entrevistaram cinco mil pessoas de várias faixas etárias, classes sociais e orientação sexual.
Eles queriam saber como os filhos e a sexualidade afetam o nível de felicidade geral do casal.
As conclusões parecem dar suporte a muitas ideias do senso comum sobre o que faz um casal feliz.
As mães são mais felizes com a vida em geral do que qualquer outro grupo analisado.
"Isto indica que ter filhos pode ser uma fonte de felicidade para mulheres", afirmam os autores.
Na questão sexual, os pais têm duas vezes mais probabilidade de sentir falta de contato sexual com suas parceiras do que as mulheres que são mães.
"Mães dizem querer fazer sexo com menos frequência do que seus parceiros, mas, de forma geral, a frequência das relações sexuais não parece afetar o nível de satisfação com o relacionamento nem para homens nem para mulheres," afirmam os pesquisadores
O estudo apontou ainda que as mães têm duas vezes mais chances de dizer que seus filhos são as pessoas mais importantes em sua vida, enquanto que os pais dizem que suas parceiras são as pessoas com quem mais se importam.
Dizer "obrigado" e dar demonstrações de carinho, como preparar uma xícara de chá, foram os gestos mais apreciados nos parceiros pela maioria dos entrevistados.
Além disso, os participantes disseram valorizar a ajuda dos parceiros na realização de tarefas domésticas, como algo que contribui para a saúde do relacionamento e o bom funcionamento do lar.
A grande novidade da pesquisa foi o elevado nível de satisfação com a vida e com o parceiro relatado pelos casais sem filhos.
Esses casais estão mais satisfeitos com seus relacionamentos e se sentem mais valorizados por seus parceiros do que os casais com filhos.
Segundo os autores, casais sem filhos dedicam mais tempo à manutenção do relacionamento, a apoiar o parceiro, a dizer "eu te amo" e a conversar abertamente.
Fonte: Diário da Saúde
Compartilhar:
←  Anterior Proxima  → Página inicial

Visitantes no Globo

On line

Total de visualizações

Arquivo do blog

Mais visualizadas do mês

Seguidores