>
Olá, seja muito bem-vindo a esse ambiente! Espero que ele possa atender suas expectativas!

segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

Conhecer a origem dos alimentos é importante

A prática de rastrear e informar ao consumidor dados sobre a origem do produto já existe em diversos países, sobretudo na Europa, mas ainda não há legislação a respeito no Brasil.[Imagem: Antonio Cruz/Agência Brasil]
Os consumidores no Brasil têm muito pouco acesso a informações como a região onde o alimento foi produzido, em que condições isso foi feito e quais substâncias foram usadas durante a cadeia produtiva, até chegar ao supermercado.
A prática de rastrear e informar ao consumidor dados sobre a origem dos alimentos já existe em diversos países, sobretudo na Europa.
Por isto, o IDEC (Instituto de Defesa do Consumidor) está lançando uma campanha nacional para mostrar a importância de que as pessoas conheçam a origem dos alimentos que compram e consomem - e cobrem isso dos supermercados e produtores.
"Saber de onde vêm os alimentos significa saber informações sobre como o alimento foi plantado, se foi ou não usado agrotóxico e se a quantidade usada está dentro do limite estabelecido por lei, saber a distância entre onde o alimento foi produzido e onde está sendo vendido, pois quanto mais próximo, mais fresco e menos poluentes são emitidos no transporte", explica a nutricionista Ana Paula Bortoletto.
A campanha De onde vem? visa promover a rastreabilidade dos alimentos, uma questão que ainda não foi regulada no Brasil. Algumas redes de supermercados e produtores têm iniciativas próprias para fornecer essas informações. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) está discutindo uma regulação desse tipo para o Brasil, mas ainda sem definição das medidas que serão adotadas.
Enquanto isso, o próprio consumidor pode tomar suas precauções.
"O consumidor pode buscar informação no próprio supermercado, pois ele tem que controlar a origem do alimento para, no caso de haver alguma contaminação, identificar facilmente onde está o problema e tirar o produto de circulação. O consumidor pode também cobrar mais informações do supermercado. Além disso, quando vier a público a discussão sobre a regulamentação pela Anvisa, o consumidor poderá apoiar a iniciativa", acrescenta Ana Paula.
O ideal, segundo o IDEC, é que as gôndolas dos supermercados indiquem o produto, a variedade, o centro de distribuição e o produtor, incluindo dados como CPF/CNPJ, endereço, data de produção, lote e se houve uso ou não de agrotóxicos.
Os alimentos orgânicos estão em vantagem nesse quesito, e 56,5% deles já apresentam informações de origem e condições de produção, contra 28,7% dos convencionais.
Fonte: Diário da Saúde
Compartilhar:
←  Anterior Proxima  → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Com seus comentários, você ajuda a construir esse ambiente. Sempre que opinar sobre as postagens, procure respeitar a opinião do outro.

Muito obrigado por participar de nosso Blog!

Abraços!

Visitantes no Globo

On line

Total de visualizações

Arquivo do blog

Mais visualizadas do mês

Seguidores