>
Olá, seja muito bem-vindo a esse ambiente! Espero que ele possa atender suas expectativas!

quarta-feira, 4 de março de 2015

Descoberto menor ser vivo da Terra


A bactéria ultrapequena possui cilia, pequenos apêndices externos que podem ser usados para movimentação ou para comunicação com outras bactérias.[Imagem: Berkeley Lab]
Limite da vida
Qual é o menor tamanho possível de um ser vivo?
Os cientistas debatem essa questão há décadas, já tendo elaborado teorias e feito cálculos para estimar qual a menor estrutura capaz de conter um nível de complexidade suficiente para sustentar a vida.
Mas todos foram pegos de calças curtas quando Birgit Luef e Jill Banfield usaram um microscópio de última geração para flagrar a menor bactéria conhecida - e, também, a menor forma de vida conhecida.
Ocorre que a nova bactéria é muito menor do que os cientistas imaginavam ser possível para um ser vivo.
Ela mede 0,009 micrômetro cúbico - um micrômetro equivale a um milésimo de milímetro.
São necessárias 150 delas para recobrir a bem conhecida bactéria Escherichia coli, e caberiam 150.000 dessas nanobactérias na ponta de um fio de cabelo humano.
É importante lembrar que a nova bactéria é o menor organismo a atender a todos os requisitos daquilo que os cientistas atualmente classificam como seres vivos. Afinal, os vírus são menores, mas não são classificados como "seres vivos autênticos".
A menor bactéria da Terra - a menor que se conhece até agora - foi encontrada em águas subterrâneas e os pesquisadores afirmam que ela deve ser bastante comum e só não foi achada antes porque a técnica usada para identificá-la - chamada tomografia crioeletrônica - só foi aperfeiçoada nos últimos anos.
Menor bactéria conhecida
Menor ser vivo que se conhece
Estrutura interna da menor forma de vida que se conhece, mostrando uma parede
celular complexa e um interior muito denso. (Imagem: Berkeley Lab)
"Essas bactérias ultrapequenas que acabamos de descrever são um exemplo de um subconjunto da vida microbiana da Terra sobre o qual nós não sabemos praticamente nada," disse o professor Jill Banfield.
Segundo ele, agora será necessário descobrir como essas bactérias vivem, do que se alimentam e como se encadeiam com o restante da vida no planeta.


Matéria colhida na íntegra em: Diário da Saúde
Compartilhar:
←  Anterior Proxima  → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Com seus comentários, você ajuda a construir esse ambiente. Sempre que opinar sobre as postagens, procure respeitar a opinião do outro.

Muito obrigado por participar de nosso Blog!

Abraços!

Visitantes no Globo

On line

Total de visualizações

Arquivo do blog

Mais visualizadas do mês

Seguidores