>
Olá, seja muito bem-vindo a esse ambiente! Espero que ele possa atender suas expectativas!

domingo, 22 de janeiro de 2017

NASA ajudará a construir nanossatélite brasileiro

As bolhas de plasma ionosférico impactam os sistemas de comunicação e de navegação, mas ainda não são bem compreendidas.[Imagem: Inpe
A NASA, agência espacial norte-americana, vai financiar o desenvolvimento de um nanossatélite para estudos de bolhas de plasma na ionosfera, que podem ter impacto nos sistemas de comunicação e navegação do planeta.
A missão Sport (Scintilation Prediction Observations Research Task ou Observações de Previsão de Cintilação) é uma parceria do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) com o Centro de Voos Espaciais Marshall, da NASA.
O nanossatélite, um cubesat de aproximadamente seis quilogramas, levará instrumentos para estudar a formação de bolhas de plasma ionosféricas, que são as principais fontes de reflexões de radar na região equatorial. A missão investigará o estado da ionosfera que acarreta o crescimento das bolhas de plasma.
Também serão estudadas as relações entre as irregularidades no plasma em altitude de satélite com as cintilações de rádio observadas na região equatorial da ionosfera.
Os instrumentos a bordo do satélite serão desenvolvidos pela NASA e por universidades dos Estados Unidos, com a participação de pesquisadores brasileiros. Já a plataforma deverá ser semelhante à do Itasat, nanossatélite universitário construído em parceria pelo ITA, Inpe e universidades brasileiras.
O lançamento será feito a partir da Estação Espacial Internacional. O cronograma prevê o início do projeto em março de 2017, sendo que o lançamento e comissionamento do satélite deverão ocorrer entre novembro de 2018 e março de 2019, com uma vida útil de um ano.
NASA ajudará a construir nanossatélite brasileiro
O nanossatélite deverá utilizar a mesma plataforma que o ITASAT-1. [Imagem: ITA]
No Laboratório de Integração e Testes (LIT) do Inpe, em São José dos Campos (SP), serão feitos a montagem e os ensaios necessários para o lançamento do nanossatélite. A responsabilidade pela operação em órbita será do Centro de Controle de Satélites (CCS) do Inpe e estações brasileiras.
O Programa de Estudo e Monitoramento Brasileiro do Clima Espacial (Embrace) do Inpe fará o processamento, armazenamento e distribuição dos dados científicos da missão - as informações da rede de sensores de solo do Embrace na região da Anomalia Magnética do Atlântico Sul (AMAS), combinadas com os dados obtidos pelo cubesat, conferem características pioneiras à missão.
"A importância do nanossatélite transcende a sua aplicação científica e tecnológica, que por si só já seria suficientemente importante pela sua originalidade em combinar dados obtidos no espaço com dados obtidos pela rede de sensores do Inpe/Embrace em solo sobre a ionosfera na região da anomalia magnética.
"Esta região, devido à formação das bolhas de plasma cujas origens esta missão buscará entender, acarreta problemas de comunicação e navegação, o que dá também à missão características práticas tanto para o setor civil quanto para o de defesa", explicou o coordenador do Projeto Nanosat, Otávio Durão.
Na avaliação de Durão, essa cooperação no setor espacial pode representar o reinício de uma parceria com os EUA na área, que "em passado recente foi prejudicada por problemas na participação brasileira na construção da Estação Espacial Internacional, o maior empreendimento do mundo no setor, reunindo 16 países" - o Brasil nunca cumpriu sua parte na colaboração.

Fonte: Inovação Tecnológica
Compartilhar:
←  Anterior Proxima  → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Com seus comentários, você ajuda a construir esse ambiente. Sempre que opinar sobre as postagens, procure respeitar a opinião do outro.

Muito obrigado por participar de nosso Blog!

Abraços!

Visitantes no Globo

On line

Total de visualizações

Arquivo do blog

Mais visualizadas do mês

Seguidores