>
Olá, seja muito bem-vindo a esse ambiente! Espero que ele possa atender suas expectativas!

terça-feira, 25 de julho de 2017

Nova Tabela Periódica, com mais quatro elementos, é oficializada no Brasil


A decisão de confirmar os elementos Nihonium (Nh), Moscovium (Mc), Tennessine (Ts) e Oganesson (Og) foi uma homenagem à Sociedade Brasileira de Química. Imagem: IUPAC
Os quatro novos elementos da Tabela Periódica, que receberam seus nomes no ano passado, foram ratificados no Brasil durante o 46º Congresso Mundial de Química, que está sendo realizado pela União Internacional de Química Pura e Aplicada (IUPAC) na cidade de São Paulo.
Os elementos 113, 115, 117 e 118 receberam os nomes de Nihonium (Nh), Moscovium (Mc), Tennessine (Ts) e Oganesson (Og), respectivamente, e estão alocados na sétima fila da Tabela Periódica. Os três primeiros poderão ser aportuguesados para nirrônio, moscóvio e tenessine, mas o oganesson deverá permanecer por ser uma referência a uma pessoa.
A validação de novos elementos meses depois de serem descobertos é uma cerimônia padrão da IUPAC, porém, desta vez, a entidade deixou para fazer a ratificação no Brasil, durante a Assembleia Geral da IUPAC.
"Vejam que o país de vocês é muito afortunado, pois esta é a primeira vez na história que quatro elementos são nomeados ao mesmo tempo e a confirmação será no Brasil. Isso é o nosso presente para o 40º aniversário da Sociedade Brasileira de Química", disse Natalia Tarasova, presidente da IUPAC.
Descobrir, nomear e ratificar novos elementos químicos são eventos muito raros. "É um processo complicado. Antes destes quatro elementos, outro havia sido descoberto cinco anos atrás. Mas acredito que o próximo possa demorar a vir. Essa é a minha expectativa," disse Natalia.
Para ela, a necessidade de ratificar os novos elementos está na importância da descoberta e de todo o processo de nomeação e inclusão dos elementos na Tabela Periódica. "Isso acontece porque é um esforço científico muito grande. Esses grupos trabalharam por 10 ou 15 anos para encontrar novos elementos e para provar que de fato são novos elementos. Pois algumas vezes na história ocorreram erros: acreditaram se tratar de um novo elemento, mas na realidade era um isótopo," disse.
O processo para nomear novos elementos químicos tem critérios bem definidos. O direito de dar o nome pertence aos descobridores. "Eles propõem o nome e existem comitês para checar se o nome soa bem em todos os idiomas do nosso planeta, se não há erro e então a assembleia geral o aprova," disse Natalia.
O elemento 113 recebeu o nome de Nihonium (Nh), proposto por cientistas do Instituto Riken, no Japão, que descobriram o novo elemento. O nome veio de Nihon, que é uma das duas maneiras de dizer Japão em japonês e que significa Terra do Sol Nascente - a outra é a forma oficial Nippon.
"Os pesquisadores que descobriram o Nihonium conseguiram obter apenas três átomos deste elemento. Em 15 anos, apenas três átomos! Você pode imaginar isso? Três átomos e esse é o novo elemento", disse Natalia.
O nome Moscovium (Mc) do elemento 115 é uma homenagem à cidade de Moscou, na Rússia, endereço do Joint Institute for Nuclear Research, onde os experimentos foram conduzidos.
O nome Tennessine (Ts) do elemento 117 reconhece a contribuição da região do Tennessee, nos Estados Unidos, incluindo a do Laboratório Nacional Oak Ridge, da Universidade Vanderbilt e da Universidade do Tennessee em Knoxville.
Por fim, na sétima linha, e em consonância com a tradição de honrar um cientista, o nome Oganesson (Og) do elemento 118 foi sugerido pela equipe de descobridores do Joint Institute for Nuclear Research (Rússia) e do Laboratório Nacional Lawrence Livermore (EUA). Eles resolveram fazer uma homenagem e reconhecer o trabalho do físico nuclear Yuri Oganessian (nascido em 1933) por suas contribuições pioneiras em pesquisas no campo de síntese e estudo de novos elementos químicos.
Os quatro elementos são elementos sintéticos, não encontrados na natureza, e que só podem ser produzidos em laboratório. A existência deles é extremamente curta. Sendo altamente radioativos, eles só se mantêm estáveis por alguns segundos ou até mesmo por um mero milissegundo, o que tornou a tarefa de confirmação da existência de cada um extremamente difícil.

Fonte: Inovação Tecnológica
Compartilhar:
←  Anterior Proxima  → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Com seus comentários, você ajuda a construir esse ambiente. Sempre que opinar sobre as postagens, procure respeitar a opinião do outro.

Muito obrigado por participar de nosso Blog!

Abraços!

Visitantes no Globo

On line

Total de visualizações

Arquivo do blog

Mais visualizadas do mês

Seguidores